Cisma na PM: Comando propõe golpe no Clube dos Oficiais e coronéis batem boca

coronéisCisma entre os oficiais da Polícia Militar. Tudo começou, na tarde da última quinta-feira (dia 27), quando a cúpula da PM convocou todos os comandantes para uma reunião na sede da OCEPB (Organização das Cooperativas da Paraíba). Na pauta, quando se imaginava fosse uma discussão sobre política salarial ou melhorias de trabalho para enfrentar a criminalidade crescente…

Eis que o Comando abriu os trabalhos, defendendo uma imediata ação no sentido de derrubar o Coronel Francisco e toda a atual diretoria do Clube dos Oficiais. Foi quando alguns oficiais presentes estranharam a pauta, lembrando que a atual diretoria, como se sabe, foi reeleita, há poucos meses, e tem mandato até 2005, e que eles deveriam aproveitar a reunião para discutir política salarial.

O Coronel Jeferson, comandante do Policiamento Regional Metropolitano, falando em nome do Comando da PM, rebateu os colegas, descartando um debate sobre política salarial e reiterou a necessidade de afastar a atual diretoria do Clube dos Oficiais. A entidade, como se sabe, tem uma posição crítica em relação ao Governo Ricardo Coutinho.

Nesse momento, foi rebatido pelo coronel Jarlon Cabral, que estranhou o Comando mobilizar tantos oficiais para discutir uma questão menor, “quando há tantas outras mais urgentes para tratar, como a implantação do Risco de Vida para os policiais”. Jarlon foi afastado recentemente do Estado Maior Estratégico por sua postura de contestação à política salarial e operacional do Governo de Ricardo Coutinho.

O clima ficou muito tenso entre os oficiais presentes. Enquanto isso, naquele mesmo momento, bandidos assaltavam mais um ônibus de passageiros e um posto de combustível. No momento da reunião, a maioria das viaturas estava paralisada, aguardando as orientações dos seus comandantes que se encontravam discutindo o golpe contra o Clube dos Oficiais.

Nota do Clube dos Oficiais – Há poucos dias, o Cube divulgou uma nota à Imprensa, em denunciou uma perda salarial de 12,2%, nos três anos da gestão RC: “O problema é que esse governador que se notabilizou pela intransigência e não dialoga com os segmentos da sociedade. o Governo Ricardo Coutinho deu zero de aumento em 2011; em 2012 deu 3%; e agora em 2013, apenas 3%, contra uma inflação acima de 18% no período”.

“Os policiais e bombeiros têm amargado uma realidade cruel, apesar da mídia fácil divulgada pelo Governo tentando mostrar os fatos de forma distorcida. Na verdade, os PMs e BMs tiveram em três anos um mísero aumento de 6%, deixando ao longo dos últimos três anos a polícia militar com o pior salário do Brasil”.

Há mais de dois anos, as entidades protocolaram um pedido de audiência com o governador para discutir questões da categoria, mas “o governador insiste em desconhecer os policiais e bombeiros militares”. Não é de surpreender, portanto, a desmotivação da tropa e, especialmente, os indicadores de violência na Paraíba.

 

Helder Moura