Com confiança e qualidade reduzidas, Vasco amarga terceira derrota seguida no Brasileiro.

vasco perde mais umaNikão (11) festeja o gol de pênalti que marcou pelo Atlético-PR, o primeiro da vitória por 2 a 0 na Arena da Baixada sobre o Vasco 

CURITIBA – O número zero, que acompanha o placar do Vasco em cinco dos seis jogos no Brasileiro, mostra que andar em círculos e uma forma de não sair do lugar. Mesmo que tenha sido menos vergonhosa do que os 3 a 0, sofridos diante da Ponte Preta, na última quarta-feira, a derrota para o líder Atlético-PR, por 2 a 0, ontem, na Arena da Baixada, foi igualmente preocupante e já obriga torcida e diretoria a contabilizar os prejuízos. Três, o número de pontos que deixam o Vasco na penúltima posição, é igual a série de derrotas que o time acumula nos últimos jogos.

Cada gol sofrido na penúltima rodada multiplicou por dois as incertezas do Vasco. Com seis mudanças em relação ao time que vinha sendo considerado titular, seja por questões físicas ou disciplinares, o técnico Doriva não podia mesmo repetir o padrão das últimas partidas. Ao trocar a formação anterior e a ilusão do título estadual pela realidade de sofrimento no Brasileiro, o Vasco começou o jogo disposto a suportar a pressão do Atlético-PR. Terceiro reserva, substituindo Martin Silva, que está na seleção uruguaia, e Jordi, suspenso, o goleiro Charles já tinha feito defesa difícil em chute de Walter quando Giovanni, da marca do pênalti, mandou chance clara por cima, aos 10 minutos.

De bem mais longe, o capitão Rodrigo mostrou que a distância é relativa para quem não via um gol há duas rodadas. A falta cobrada da intermediária, que Weverton rebateu para meio da área, foi o lance em que o Vasco mais se aproximou dos seus melhores momentos na temporada. Além da eficiência nas bolas paradas, era preciso recuperar a compactação que fazia o time enfrentar em bloco suas limitações individuais. Sem essa harmonia, um jogador acaba expondo o outro, como aconteceu no lance em que a ânsia de Rafael Silva de chutar para gol acabou acertado as pernas de Thalles antes da bola, aos 29. A ação, mesmo que desastrada, era melhor que a omissão dos jogos anteriores.

— Temos jogadores que nunca jogaram juntos, precisamos jogar por uma bola — disse Rodrigo, no intervalo.

LUCAS FAZ PÊNALTI

No reinício do jogo, o discurso do pragmatismo foi rasgado pela precipitação de Lucas que fez pênalti ao agarrar Gustavo pela camisa. Nikão abriu o placar, aos 14 minutos, com chute no meio do gol. Não foi difícil esperar que Charles pulasse primeiro. Assim como seu goleiro, o Vasco tem tombado com facilidade nas primeiras rodadas do Brasileiro. Ao tentar o empate, o time deixou espaços e Ítalo fez 2 a 0, aos 46.

Altos e baixos são normais para quem joga em time grande. Entre o tamanho da expectativa e o risco do salto, o perigo é se acostumar com a queda. No próximo sábado, em casa, o Vasco enfrenta o Cruzeiro, que vem de duas vitórias seguidas, sob o comando de Vanderlei Luxemburgo. Ainda no Estadual do Rio, o treinador teve no Vasco um algoz que contribui para abreviar sua permanência no Flamengo. Entre indas e vindas, resta saber quem vai comemorar a recuperação em São Januário.

Campeonato Brasileiro 2015

Classificação P J V E D GP GC SG %
Atlético-PR 15 6 5 0 1 9 3 6 83,33
São Paulo 13 6 4 1 1 10 4 6 72,22
Ponte Preta 12 6 3 3 0 13 7 6 66,66
Sport 11 5 3 2 0 10 5 5 73,33
Atlético-MG 10 6 3 1 2 14 8 6 55,55
Fluminense 10 5 3 1 1 7 6 1 66,66
Corinthians 10 6 3 1 2 4 5 -1 55,55
Chapecoense 9 6 3 0 3 6 6 0 50,00
Goiás 8 5 2 2 1 4 2 2 53,33
10º Grêmio 8 6 2 2 2 8 9 -1 44,44
11º Cruzeiro 7 6 2 1 3 6 6 0 38,88
12º Avaí 7 5 2 1 2 6 8 -2 46,66
13º Palmeiras 6 5 1 3 1 5 4 1 40,00
14º Santos 6 6 1 3 2 8 9 -1 33,33
15º Internacional 6 5 1 3 1 3 5 -2 40,00
16º Flamengo 4 6 1 1 4 7 10 -3 22,22
17º Figueirense 4 5 1 1 3 3 7 -4 26,66
18º Coritiba 3 5 1 0 4 4 7 -3 20,00
19º Vasco 3 6 0 3 3 1 9 -8 16,66
20º Joinville 1 6 0 1 5 1 9 -8 5,55

ATLÉTICO-PR 2 X 0 VASCO

Atlético-PR: Weverton; Eduardo, Gustavo, Kadu e Natanael (Guilherme Arana); Otávio, Hernani, Nikão (Jadson) e Giovanni (Ytalo); Coutinho e Walter.

Vasco: Charles, Madson, Luan, Rodrigo e Julio César (Jhon Cley); Serginho (Jackson Caucaia) e Lucas; Julio (Riascos), Biancucchi e Rafael Silva; Thalles.

Gols: 2T: Nikão aos 14m; Ytalo, aos 46m.

Juiz: Marcelo Aparecido de Souza (SP)

Cartões amarelos: Eduardo, Júlio dos Santos, Lucas, Biancucchi, Nikão e Walter.

Público presente: 16.750

Renda: R$ 340.420,00

Local: Arena da Baixada

O Globo