Com prato na mão vigilantes da prefeitura Santa Rita protestam pelas ruas pedindo salários atrasados a Netinho

protesto vigilantesCom o prato na mão, apitos e até corneta os vigilantes, agentes de trânsito e servidores da sede da prefeitura de Santa Rita protestam mais uma vez pelas ruas de Santa Rita em busca de salários atrasados cobrando do prefeito Netinho regulamentação da folha e um calendário de pagamento prometido em assembleia no sindicato que reassumiu a prefeitura á seis meses e não cumpriu com nenhuma promessa até hoje.

O protesto que está acontecendo agora tem como objetivo de pedir socorro a Câmara de Santa Rita e finalizar na porta da prefeitura de Santa Rita para o prefeito Netinho sensibilize para pagar seus salários atrasados que tornou-se um tormento para os servidores receberem seus salários trabalhados.

Nesta terça (11), uma comissão de professores, vigilantes e agentes de trânsito ingressaram no Ministério Público Estadual, Ministério Público Federal e Procuradoria Geral da República para garantir salários de dezembro de 2015, e os constantes atrasos de várias categorias que estão completando entre dois (2) meses de atrasos, afora os contratados e comissionados que o prefeito de Santa Rita exonerou sem conversar com os prestadores de serviço com até quatro meses de atrasos para efetuar os pagamentos.

Hoje no sindicato os profissionais da secretaria de saúde de Santa Rita Agentes comunitários de Saúde e Endemias avaliam o protesto realizado na semana passada cobrando terço de férias de 2014 a 2016 que não foi pago e o secretário de saúde quer pagar do jeito que ele quer que provavelmente mais uma categoria tão importante possa paralisar suas atividades.

O que tem chamado a atenção dos servidores e da população através dos repasses BBB e sistema sagres do TCE constam um montante considerável dos recursos do Fundo de participação do Município que tem sido repassado religiosamente em dia entre R$ 13 e 14 milhões e esse montante não dá para regularizar a folha de pagamento que hoje não chega a 5,5 milhões após exonerações de contratados e comissionados e o prefeito Netinho diz que não possui dinheiro.

Lamartine do Vale