Preço médio da gasolina no mercado doméstico subiu 2,4% de junho

Com tombo do petróleo, gasolina brasileira já está 61% mais cara

posto de combustívelRIO — Aos olhos dos motoristas brasileiros, as bombas de combustível têm contrariado o noticiário. Embora a cotação internacional do petróleo tenha desabado 60% nos últimos sete meses, o preço médio da gasolina no mercado doméstico subiu 2,4% de junho pra cá, segundo dados compilados pela Agência Nacional do Petróleo (ANP). No diesel, a alta foi ainda maior, de 4,4%. O resultado é que a gasolina brasileira já custa 61,1% mais que o preço internacional, de acordo com cálculos da RC Consultores. De acordo com analistas, o poder quase monopolista que a Petrobras detém dos mercados de produção e importação de derivados no Brasil impede que a diferença de preços seja repassada para o consumidor.

O petróleo iniciou sua queda livre em meados de junho de 2014. À época, o barril do tipo Brent custava mais de US$ 115, pressionado por conflitos no Iraque. Desde então, uma sucessão de dados negativos sobre a economia global e sobre o excesso de produção da commodity fez a cotação despencar, até chegar aos US$ 47 nesta terça-feira.

Nos EUA, o efeito disso sobre as bombas foi rapidamente sentido pelos consumidores, com os preços caindo por mais de cem dias consecutivos e atingindo o menor patamar desde maio de 2009. No Brasil, porém, a gasolina custava em média R$ 2,957 em junho passado e saía por R$ 3,029 entre 28 de dezembro e 3 de janeiro.

— Nos EUA, já se prevê que a inflação do país ficará zerada este ano com a queda dos combustíveis. Lá, os preços da commodity são muito rapidamente repassados aos consumidores, pois impera a lógica do mercado. Existem 175 refinarias privadas nos EUA. No Brasil, como a Petrobras tem praticamente um monopólio desse mercado, é ela que decide os preços, prerrogativa que acaba sendo, na prática, do ministério da Fazenda — afirmou Adriano Pires, sócio-diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE). — Como o governo usa a Petrobras para controlar a inflação e para fins políticos, a empresa subsidia o consumidor quando o petróleo está em alta, e o consumidor subsidia a companhia quando o produto está em baixa.

Nos últimos anos, a Petrobras manteve os preços internos mais baixos que os do mercado internacional, política exigida por Brasília para reduzir a inflação. A Petrobras amargou duras perdas com essa disparidade, pois importa grande parte dos combustíveis que vende no mercado doméstico. Entre 2011 e 2013, o prejuízo da chamada conta de abastecimento com gasolina e diesel foi de R$ 70,9 bilhões. No primeiro semestre de 2014, o resultado ficou negativo em R$ 13,3 bilhões.

PETROBRAS GANHA CERCA DE R$ 3 BI COM DIFERENÇA

Como o escândalo de corrupção em que a companhia está envolvida a fez adiar a divulgação do balanço financeiro referente ao terceiro trimestre, não é possível saber ao certo como evoluiu essa relação. Mas o CBIE estima que, se a Petrobras estivesse cobrando 41,5% pela gasolina e 30% mais pelo diesel, a companhia estaria ganhando R$ 2,9 bilhões por mês com a queda do petróleo — um alívio no caixa de uma empresa endividada e com acesso restrito ao mercado de capitais por causa do escândalo.

Mas a consultoria calcula que, hoje, a Petrobras está ganhando muito mais, uma vez que sua gasolina já estaria 57,4% acima do preço internacional e o diesel, 45,7% acima do preço do Golfo do México. Nas estimativas do economista Thiago Biscuola, da RC Consultores, a gasolina brasileira está apreciada em 61,1%, e o diesel, em 50%.

— A Petrobras está certa em não repassar imediatamente para o mercado interno toda a oscilação dos preços externos, pois isso evita que os consumidores brasileiros estejam vulneráveis a choques na commodity. Mas ela deveria fazer algum repasse periódico, sim, o que não faz hoje — afirmou Biscuola. — Em teoria, outros distribuidores de combustíveis no Brasil poderiam aproveitar os preços em baixa para ganhar mercado, mas a participação deles é pequena e há enormes entraves logísticos para isso no país.

Há pouca perspectiva de redução dos preços dos combustíveis no Brasil. Procurada, a Petrobras informou que sua política de preços visa a “não repassar a volatilidade dos preços internacionais ao consumidor doméstico, seja para mais ou para menos”.

O Globo