João Pessoa 21/03/2019

Início » Câmara em foco » Com voto de Gustavo Santos, Cãmara de Santa Rita acata denúncias para cassar prefeito Panta

Com voto de Gustavo Santos, Cãmara de Santa Rita acata denúncias para cassar prefeito Panta

Com o de voto minerva do presidente da Câmara de Santa Rita-PB, Gustavo Santos (Podemos), o plenário da Casa de Antônio Teixeira acatou duas (2) denúncias contra o prefeito tucano Panta (PSDB), que segundo as acusações são por fraudes em processos licitatórios e o não pagamento de terço de férias dos servidores municipal, que na sessão ainda foi formada as comissões processantes que poderá afastar o gestor no período de 90 dias, concedendo o direito de defesa ao réu.

De acordo com o presidente Gustavo Santos na sessão ordinária que culminou com as votações das matérias em plenário respondeu ao Vereador líder do prefeito Panta que as matérias de acusação contra o prefeito de fraude estaria na pauta do dia, além ainda da indagação do líder sobre a votação do presidente e como parlamentar, ou seja, votando duas vezes e pelo voto de minerva estava previsto no regimento interno da casa que lido para todos os parlamentos e que após votação rito, o presidente encaminhou para comissões para sua publicação em diário oficial.

“O prefeito Panta entrou para o terceiro ano de seu mandato sem conceder nenhum tipo de reajustou a nenhum servidor como o piso do magistério recomendado pelo MEC, terço de férias, piso do mínimo de pessoal de apoio e vigilantes que o próprio sindicato de servidores públicos de municpal de Santa Rita-Sinfesa ajuizou ação no Ministério Público que recomendou o prefeito Panta realizar o pagamento integralmente do terço de férias de todos os servidores de 2017 e 2018 que a gestão Panta não cumpriu e, que o MP pediu sua cassação e que o prefeito criou um escalonamento alfabético pagando a alguns servidores no período de seis meses e que paralisou até hoje. Na ocasião o sindicato de servidores tentou o diálogo com o prefeito Panta para resolver a situação mas não logrou êxito, que a única alternativa para os servidores que restou foi a greve geral por tempo indeterminado que completa 11 dias hoje”.

Lamartine do Vale