Concursados da polícia militar tem o apoio do procurador de justiça para intermediar com governo, diz deputado

Concursados da polícia militar tem o apoio de procurador de justiça para intermediar com governo, diz deputado

IMG_20151008_153245912_HDR - CópiaO deputado Bruno Cunha Lima (PSDB) após a sessão especial na última quinta (8) afirmou a reportagem do Paraíba Urgente nesta terça (13) na Assembleia Legislativa que discutiu a situação com os 800 concursados da polícia militar que não foram ainda convocados entre eles mulheres pelo governo do estado ganhou mais um aliado em defesa da causa o procurador de justiça Berthand Asfora que vai intermediar a relação entre o governador Ricardo Coutinho, concursados e a Assembleia Legislativa uma solução para o impasse antes que expire o prazo em dezembro de 2015, que seja incluído na LOA.

Bruno Cunha Lima disse que já existe uma movimentação parlamentar com ajuda do presidente da Assembléia Legislativa da Paraíba Adriano Galdino, o líder da bancada do governo Hervásio Bezerra e de  vários deputados além de movimentos da sociedade, que primeiro vão analisar  a Lei Orçamentária Anual – LOA para 2016, para que pré-veja a contratação e convocação desses e de outros concursados da polícia militar, afirmou.

O deputado disse ainda de uma forma mais urgente agendou uma audiência com o procurador de Justiça Berthand Asfora para intermediar a questão junto ao governo do estado, a tentativa de postergar a validade do concurso, disse.

“O concurso tem validade de dois anos e prorrogável por mais dois, e possui apenas um ano de validade que se expira em dezembro, é preciso que o governo tenha uma decisão política – administrativa e que se renove a validade de 800 homens entre eles mulheres, que foram aprovados e que estão aptos a todas as etapas do concurso para exercer a função de policial militar da Paraíba”, declarou o deputado Bruno C. Lima.

“O deputado lamentou ainda com crescimento da violência além de possuir uma policia reduzida anos após anos por aposentadoria, troca de farda  alem de outras atividades profissionais que tem uma polícia que diminui e uma violência que aumenta é preciso que o governo trate a violência como prioridade e não com negligência como bem vêm fazendo até essa data com mais de 1.100 mortos só apenas esse ano e isso é inaceitável”, enfatizou  Bruno.

Por fim o deputado estadual Bruno C. Lima revelou ainda que mata-se aqui na Paraíba por uma simples ausência de polícia na rua, a sensação de insegurança nas ruas são também de impunidade que na Paraíba existe cidades que não possuem um policial militar como a cidade de matinhas. Governo propaga uma ideia de uma simples sensação de insegurança, mas a chega a casa do povo e não a “Granja Santana”, como também tocaram fogo nos ônibus e mataram um professor e um aluno em Campina Grande, além de ter a insegurança como nossa vizinha a cada dia em nossas vidas, desabafou o deputado.

Lamartine do Vale, do Paraíba Urgente.