Condenado, Lula vai enfrentar segunda instância linha dura

Após ser condenado a nove anos e meio de prisão pelo juiz Sérgio Moro por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva (PT) vai poder recorrer da sentença em liberdade. O processo sairá de Curitiba e será encaminhado ao Tribunal Regional Federal da 4ª região (TRF4), em Porto Alegre, onde três desembargadores, em decisão colegiada, podem confirmar a sentença, absolver o petista ou aumentar a pena aplicada.

Aliados de Lula da Silva acreditam que a condenação de Moro vai ser revertida em segunda instância por falta de provas. Os petistas acreditam que o futuro do processo vai ter o mesmo destino do ex-tesoureiro João Vaccari, que foi absolvido no mês passado pelo da condenação de 15 anos e 4 meses de prisão imposta pelo Moro.

Apesar disso, os números mostram que João Pedro Gebran Neto, relator da Lava Jato no TRF4, Leandro Paulsen e Victor Luiz dos Santos Laus, os três desembargadores que julgarão o caso, não costumam contradizer as decisões de Moro.

Até agora, o trio de magistrados manteve a condenação de 34 dos 39 réus julgados por Moro – ou seja, apenas cinco foram absolvidos por ele, considerados “linha dura”.

Se for condenado em segunda instância, Lula poderá ser declarado inelegível segundo a Lei da Ficha Limpa, além de ser preso. Apesar disso, recursos protelatórios da defesa do petista poderiam alongar o julgamento e permitir sua candidatura.

Assista: Lula responde a mais quatro pocessos na Justiça


Band