Consciência de Schumacher não significa melhora

shumakar bomHospitalizado há quatro meses em Grenoble, na França, após sofrer um acidente enquanto esquiava nos Alpes, o heptacampeão da Fórmula 1 Michael Schumacher ainda não despertou totalmente do coma induzido, mas já apresenta “sinais de consciência”, segundo confirmou sua agente à imprensa.

Mas para o neurocirurgião Peter Hutchinson, professor da Universidade de Cambridge e chefe médico do GP da Fórmula 1 na Grã-Bretanha, tais momentos de lucidez não significam necessariamente uma melhora da saúde do piloto.

“Avaliamos a consciência de duas formas: a primeira é se os olhos estão abertos e a segunda é quando o paciente responde a ordens simples”, explicou Hutchinson ao programa Health Check, da BBC.

Sono profundo

Em acidentes graves, como o sofrido por Schumacher, é comum que os médicos coloquem o paciente em coma induzido.

O objetivo é evitar que a inflamação originada no cérebro mate os neurônios.

Com isso, a pressão sobre o órgão diminui e o órgão passa a trabalhar menos, o suficiente para manter as funções vitais do indivíduo.

A técnica permite que os médicos apliquem outros tipos de tratamento que assegurem o fluxo de sangue e leve oxigênio ao cérebro.

“Podemos alterar os ajustes da máquina que mantem o indíviduo com vida para administrá-lo a quantidade desejada de oxigênio e de outro gás muito importante, o dióxido de carbono, que influencia na pressão intracraniana”, explica Hutchinson.

“Também podemos fazer uma drenagem de fluidos por meio das cavidades do cérebro, resfriá-lo ou intervir cirurgicamente para eliminar uma parte importante do crânio que permita aliviar a pressão sobre o cérebro”, acrescenta.

Todo o processo ocorre enquanto o paciente está em coma induzido. Após os níveis de pressão voltarem à normalidade, o paciente é despertado.

Trabalho da natureza

Segundo Hutchinson, o primeiro passo é eliminar os sedativos. O segundo – e o mais crucial, é deixar “a natureza fazer o seu trabalho”. Gradualmente, então, o paciente começa a recobrar a consciência.

O professor diz que alguns pacientes acordam relativamente rápido e obedecem ordens, o que significa realizar movimentos controlados. “Mas, infelizmente, nem todos saem do coma induzido e permanecem conscientes”, ressalva Hutchinson.

“Mas acredito que o fundamental, em termos de recuperação, acontece quando o paciente começa a obedecer ordens”, diz o especialista.

“Quando pedimos que realizem ações simples, como levantar o braço ou abrir e fechar os olhos. Isso é um sinal muito mais positivo do que somente manter os olhos abertos.”
Hutchinson conta que alguns pacientes abrem os olhos, mas não reagem aos estímulos.

A família de Schumacher não divulga detalhes do estado de saúde do piloto. As poucas informações que chegam à imprensa são dadas pela agente do piloto, Sabine Kehm.

“O tempo passa e talvez isso (os sinais de consciência do piloto) sejam um sinal de melhoria, mas, para nós, somente quando o paciente começa a obedecer ordens é que realmente podemos considerar uma evolução em seu estado de saúde”, esclarece Hutchinson.

UOL