João Pessoa 20/05/2019

Início » Economia » Consumo de carne ameaça o meio ambiente, escreve Julia Fonteles

Consumo de carne ameaça o meio ambiente, escreve Julia Fonteles

Gado e búfalos emitem 4% do total de GEE Nos EUA, 39% querem variar alimentação

O processo digestivo do gado é é um dos principais poluidores mundiais porque os animais emitem metano, gás 21 vezes mais poluente que o dióxido de carbonoPixabay

Há tempos que ambientalistas fazem alertas sobre os perigos do consumo de carne. E eles não poderiam estar mais corretos. Aproximadamente ¼ das emissões de gás carbônico vem de atividades agrícolas.

Com o crescimento populacional, estima-se que, até 2050, o mundo terá que alimentar 10 bilhões de pessoas, um problema sério para o futuro do clima e das próximas gerações.

Considerando que o espaço físico para o cultivo agropecuário é limitado, uma alimentação balanceada, sustentável e que não emita GEE (gases de efeito estufa) é mais um dos grandes desafios do século 21.

Vale relembrar que a contribuição da agropecuária para o agravamento do aquecimento global é bastante significativa. Se a agronegócio fosse um país, seria o 3º maior emissor de GEE do mundo.

O processo digestivo do gado é um dos principais poluidores mundiais porque os animais emitem metano. Metano é considerado o GEE que mais contribui para o aquecimento global e polui 21 vezes mais do que o CO2 (dióxido de carbono), sendo que só a criação de gados e búfalos representam 4% do total de GEE emitidos.

Fora a quantidade de água, terra desmatada e fertilizantes utilizados durante o processo agrícola, a pegada de carbono durante sua produção é bastante elevada e seus métodos precisam ser reavaliados.

De acordo com o Fórum Econômico Mundial, a agricultura é um dos principais responsáveis pela perda de biodiversidade. Quase ¾ da produção de comidamundial vem somente de 12 plantas e 5 animais, sendo que 3 dessas plantas (arroz, trigo e milho) compõem quase 60% do consumo calórico dos humanos. A baixa variedade de alimentos disponíveis para o consumidor e a falta de incentivo para os produtores tornam essencial a reversão desse cenário.

Breakthrough Energy, empresa patrocinada por Bill e Melinda Gates, comercializa e aprimora comidas sintéticas como carne e leite. Tais substâncias são produzidas em laboratórios sem emissão de gás carbônico.

Também buscam suprir os nutrientes e os sabores necessários para atrair o consumidor. Outra inovação no setor agrícola são as fazendas verticais, áreas sustentáveis e futuristas que otimizam o espaço de prédios e buscam eliminar a emissão de GEE.

Embora inovações no setor estejam em andamento, hoje em dia a solução mais simples é não consumir ou reduzir significativamente o consumo de carne.

Nos Estados Unidos, 39% da população diz querer comer mais plantas do que carne e obter uma variedade de alimentos mais expressiva nas suas dietas alimentares. No país, o total de pessoas que se identificam como vegetarianas cresceu de 3,53% em 2017 para 8,8% em 2018.

Porém, as informações da pesquisa não necessariamente têm uma correlação com uma redução no consumo total de carne no país. De acordo com pesquisa divulgada pela OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) em 2017, os Estados Unidos são o país que mais consome carne per capita no mundo. O Brasil está na 6ª posição.

Fonte: Departamento de Agricultura dos Estados Unidos

Pode-se observar a conscientização em relação ao consumo de carne pelo aumento no número de estabelecimentos vegetarianos e veganos espalhados pelo mundo.

O projeto Cool Food Pledge, por exemplo, é uma iniciativa americana que oferece alimentos sustentáveis e vegetarianos para bandejões, universidades e ambientes de trabalho. O objetivo é reduzir em 25% o consumo de alimentos que emitem GEE até 2030.

A empresa de coworking WeWork e o banco Morgan Stanely foram os primeiros a patrocinar a iniciativa. Os departamentos médicos das universidades UCLA, UC Davis, UCSF e UC San Diego, na Califórnia, também aderiram à causa.

Pela saúde do meio ambiente e também pela nossa saúde, o consumo de carne realmente é algo que deve ser diminuído ou eliminado. Existem muitas outras opções mais sustentáveis e saudáveis para compor a alimentação do dia a dia. Qualquer mudança de hábito é complicada e requer esforço, mas seus benefícios provam ser imensuráveis.

Poder360