Copa América: No Grupo B, Argentina carrega incertezas e jejum - :: Paraiba Urgente :: Portal de Notícias

Copa América: No Grupo B, Argentina carrega incertezas e jejum

Nesta chave, quem carrega o peso do favoritismo nas costas é a seleção da Argentina. Mesmo em fase de incertezas e renovação, essa geração da Alviceleste ainda tenta mostrar que não depende apenas do gênio Lionel Messi. Atuando na casa de um dos seus maiores rivais, os hermanos chegam com tudo para conseguir quebrar um jejum de títulos de 26 anos. Correndo por fora, um dos “azarões” mais perigosos do nosso continente, a traiçoeira Colômbia. Convidada por seu país-sede da Copa do Mundo 2022, o Catar chega para disputar vaga no mata-mata com o Paraguai, que vive má fase nos últimos anos.

Argentina

Linha de frente forte
para sair da fila

Não é fácil para uma das maiores seleções do mundo da bola ficar sem vencer um título relevante há 26 anos. A última conquista foi na própria Copa América, só que em 1993. Ao passar dos anos, eliminações vexatórias em Copas do Mundo. Nem mesmo o surgimento de um dos maiores gênios do futebol de todos os tempos foi capaz de tirar os hermanos da fila, amenizada com a conquista de duas Olimpíadas (2004 e 2008). Prestes a completar 32 anos, Lionel Messi é bastante cobrado no seu país e já ameaçou deixar a seleção nos dois últimos fracassos da Alviceleste. Nas duas últimas edições da Copa América, a Argentina chegou à final e perdeu para o Chile em ambas, com Messi apagado.

Mas quem vê de longe pensa que a Argentina é só Messi. Com jogadores experientes na retaguarda, a linha de frente é extremamente perigosa, com nomes consagrados como Aguero e Di Maria, mesclados com os jovens Lautaro Martinez e Paulo Dybala. A ausência de Mauro Icardi, da Inter de Milão, gerou muitas críticas da imprensa local. Com a conturbada queda de Jorge Sampaoli após a eliminação na Copa do Mundo 2018, o técnico Lionel Scaloni veio com um estilo mais apaziguador. Nos dois jogos que fez este ano, derrota para a Venezuela e vitória contra Marrocos.

Destaque
Lionel Messi (meia)
Idade: 31 anos
Altura: 1,70m
Clube: Barcelona (ESP)

Histórico 
Argentina
Participações: 41
189 jogos: 119 vitórias, 39 empates e 31 derrotas
Gols marcados: 455
Gols sofridos: 173
Títulos: 14 (14 (1921, 1925, 1927, 1929, 1937, 1941, 1945, 1946, 1947, 1955, 1957, 1959, 1991 e 1993)
Sede: 9 (1916, 1921, 1925, 1929, 1937, 1946, 1959, 1987 e 2011)

Colômbia

Los Cafeteros tentam
se livrar de estigma

James Rodriguez, meia da Colômbia James Rodriguez, meia da Colômbia – Crédito: AFP

Considerada a mais traiçoeira das seleções por aprontar algumas façanhas quando não se espera muito, a atual Colômbia carrega um estigma um pouco inverso. Liderada por nomes como Ospina, Cuadrado, James Rodriguez e Falcao Garcia, Los Cafeteros fizeram a crítica criar expectativa em torno do potencial do grupo, mas os resultados expressivos não vieram. Na Copa América 2015, queda logo nas quartas. No ano seguinte, na Centenário, derrota na semifinal. Na última Copa do Mundo, mais decepção com uma eliminação ainda nas oitavas de final. Nos amistosos desse ano, vitórias contra Japão, Panamá e Peru, mas derrota para Coreia do Sul.

Destaque

James Rodriguez (meia)
Idade: 27 anos
Altura: 1,81m
Clube: Real Madrid (ESP)

Histórico

Participações: 21
113 jogos: 42 vitórias, 24 empates e 47 derrotas
Gols marcados: 131
Gols sofridos: 184
Títulos: 1 (2001)
Sede: 1 (2001)

Paraguai

Com a missão de
recuperar o prestígio

Romero, atacante do ParaguaiRomero, atacante do Paraguai – Crédito: AFP

Esqueça aquela histórica geração formada por Arce, Rivarola e Gamarra que conquistou o carinho dos fãs na década de 1990 e início dos anos 2000. A atual geração paraguaia padece no futebol mundial muito pela falta de identidade que teve um dia. Uma das esperanças de gol é o contestado Romero, do Corinthians. Na zaga, Balbuena (ex-Corinthians e hoje no West Ham) tenta recuperar o prestígio defensivo da equipe. Fora do Mundial da Rússia de 2018, o Paraguai terminou as eliminatórias na sétima colocação. Nos quatro jogos neste ano, apenas uma vitória, contra a Guatemala. No restante, derrotas para México e Peru, e empate diante de Honduras.

Destaque
Ángel Romero (atacante)
Idade:26 anos
Altura: 1,77m
Clube: Corinthians (BRA)

Histórico

Participações: 36
168jogos: 62 vitórias, 39 empates e 67 derrotas
Gols marcados: 253
Gols sofridos: 293
Títulos: 2 (1953 e 1979)
Sede: 1 (1999)

Catar

A passeio para colher frutos

Para os mais desavisados, o Catar veio ao Brasil a passeio. Convidada por ser país-sede da Copa do Mundo 2022, a seleção comandanda pelo espanhol Félix Sánchez investiu não só na estrutura nos estádios luxuosos, mas também na mão de obra técnica. E os frutos foram colhidos rapidamente. No começo deste ano, a seleção catariana conseguiu o inédito título da Copa da Ásia, torneio equivalente à Copa América para o continente asiático. Na campanha impecável, venceu todos os sete jogos, incluindo o 3×1 contra o Japão na grande final. Depois disso, apenas um amistoso, na derrota por 2×0 para o Brasil.

Destaque
Almoez Ali Abdulla (atacante)
Idade: 22 anos
Altura: 1,80m
Clube: Al Duhail (CAT)

Histórico
Participações: estreante
0 jogos: 0 vitórias, 0 empates e 0 derrotas
Gols marcados: 0
Gols sofridos: 0
Títulos: 0

Folha de Pernambuco