Coreia do Norte testa mísseis em protesto contra reunião de líderes - :: Paraiba Urgente :: Portal de Notícias

Coreia do Norte testa mísseis em protesto contra reunião de líderes

reunião de líderesLançamento de três rajadas de mísseis na área litorânea da cidade de Wonsan, a 150 quilômetros de Pyongyang. Na foto o líder norte-coreano Kim Jong-un assiste a exercícios da Força Aérea norte coreana. 17 de Março de 2014.

REUTERS/KCNA

A Coreia do Norte disparou nesta quarta-feira (26) dois mísseis balísticos de médio alcance na direção do mar do Japão, segundo informou o governo sul-coreano. Os testes seriam uma resposta ao encontro tripartite entre Estados Unidos, Japão e Coreia do Sul, realizado na Holanda à margem da Cúpula sobre segurança nuclear.

 Os mísseis aparentam pertencer à categoria Rodong, de médio alcance e com capacidade para atingir alvos entre 1.000 e 1.500 km de distância. Os mísseis percorreram 650 km antes de cair no mar, de acordo com o ministério sul-coreano da Defesa.“Esses mísseis podem atingir a maior parte do território japonês, mas também russo e chinês”, afirmou o ministério em um comunicado.

Represália ao encontro de líderes

Os disparos foram feitos exatamente no momento em que Barack Obama, o premiê japonês, Shinzo Abe, e a presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, discutiam a situação da Coreia do Norte, em Haia. O encontro foi  à margem da Cúpula de segurança nuclear, realizada no início da semana.

Foi a primeira reunião entre os três líderes depois da chegada ao poder de Park Geun-Hey e Shinzo Abe. “Nos últimos três anos, a estreita colaboração entre nossos países mudou a relação com a Coreia do Norte”, disse Obama. “Nossa cooperação trilateral enviou uma mensagem firme à Pyongyong: a resposta à suas provocações e ameaças será dada com uma só voz”, acrescentou.

Violação de resoluções da ONU

Os testes violam novamente resoluções do Conselho de Segurança da ONU que aplicou sanções ao regime de Pyongyang devido ao seu programa nuclear. O regime comunista tem feito diversas ações em protesto contra as manobras militares conjuntas dos Estados Unidos e da Coreia do Sul na região.

Depois do lançamento dos dois mísseis, o departamento de Estado americano indicou estar em “cooperação estreita com seus aliados e parceiros, especialmente do Conselho de Segurança, para tomar medidas apropriadas”.

“Nós pedimos que a Coreia do Norte se controle e evite cometer mais ações ameaçadoras”, alertou a porta-voz da diplomacia americana, Marie Harf, através de um comunicado.

 

RFI