‘Coringa’ chega aos cinemas da PB; veja outras estreias

‘Coringa’ chega aos cinemas da PB; veja outras estreias

‘Coringa’ (Foto: Reprodução)

Criado em 1940 por Bill Finger, Jerry Robinson e Bob Kane, o Coringa se destacou através dos anos como o principal inimigo do Batman. O herói sombrio tinha como nêmese um vilão que se vestia de palhaço. Agora, o personagem ganha sua quinta interpretação nos cinemas, mas pela primeira vez à frente do próprio filme. E Coringa, que estreia nesta quinta-feira (3), já chega fazendo mais barulho que a risada demente do personagem: eleito o melhor filme do último Festival de Veneza, o mais importante prêmio já conseguido por um filme baseado em HQs de super-heróis. Assista ao trailer abaixo.

Joaquin Phoenix é o Palhaço do Crime da vez, em um filme de origem ambicioso e à parte do universo compartilhado da DC Comics. Aqui, ele é Arthur Fleck, um comediante fracassado e instável que a sociedade empurra até ele se tornar um assassino cruel.

Essa identidade de Arthur Fleck é uma novidade. A origem do Coringa às vezes é apresentada como indeterminada, como na brilhante versão interpretada por Heath Ledger em Batman, o Cavaleiro das Trevas (2008). E às vezes algum autor resolve cravar uma origem mais definitiva, como aquela em que o vilão já foi Jack Napier.

Nesta, versão da graphic novel A Piada Mortal (1988), do escritor Alan Moore e do desenhista Brian Bolland, ele também era um humorista fracassado, mas que aceita participar de um assalto e ficou desfigurado e enlouquecido depois de cair num tanque de ácido. Foi a base para a origem do filme Batman (1989), de Tim Burton, com a diferença de que ali o personagem (vivido por Jack Nicholson) não era um humorista, mas o capanga de um gangster.

Arthur Fleck, no entanto, é uma identidade nova. Mas nem isso, nem a “desconexão” com os outros filmes da DC ou a pegada mais adulta e pesada (com ecos de Taxi Driver, 1976), que tem perturbado pela violência, implicam em uma “desconexão” com o universo da editora. Bruce Wayne está no filme, assim como seus pais Thomas e Martha, e o mordomo Alfred.  Ainda é o mundo do Batman. Mas a ideia divulgada é que Coringa fosse o início de uma série à parte de filmes isolados com os personagens da DC. O próprio Joaquin Phoenix resistiu muito a assinar para um filme de super-heróis (recusou Doutor Estranho e o Hulk em Os Vingadores) porque não queria se comprometer com muitas sequências. Mas como o sucesso previsível de Coringa não levará a uma continuação?

Phoenix, que perdeu 23 quilos para interpretar o personagem, já vem sendo celebrado pela sua atuação, inclusive com apostas para uma indicação ao Oscar.

Outras estreias

Dor e glória

O mais recente filme de Pedro Almodóvar mostra um diretor de cinema refletindo sobre o passado. O diretor espanhol volta a filmar com os parceiros Antonio Banderas e Penelope Cruz. Estreia hoje em João Pessoa.

O clube dos canibais

O filme brasileiro de suspense é uma metáfora bastante direta onde um casal da elite faz parte de um clube de canibais e devora seus funcionários. Após a sessão de hoje, tem debate com a equipe. Estreia hoje em João Pessoa.

Turma do Pererê.doc

Com a Turma do Pererê, Ziraldo criou a primeira revista em quadrinhos brasileira colorida, nos anos 1960. Este documentário conta essa histíoria e fala da influência dos personagens. Estreia hoje em João Pessoa.

Ela disse, ele disse

Baseado no livro juvenil de Thalita Rebouças, o filme mostra uma garota em uma escola nova, que se interessa por um garoto e tem problemas com a menina mais popular (Maísa Silva). Estreia hoje em JP, CG e Patos.

Pássaros de verão

Com aclamação da crítica, o filme volta aos anos 1970 na Colômbia, época em que começava o tráfico de maconha para os EUA. O foco é uma família de nativos em um dilema ético envolvendo esse comércio. Estreia domingo em JP.

Angry Birds 2 — O filme

A continuação da animação baseada no videogame. A rivalidade entre pássaros e porcos dá uma pausa para que eles juntem forças contra um novo inimigo comum, que surge em nova ilha. Estreia hoje em JP, CG e Patos.

Renato Félix, do Jornal CORREIO