Cruzeiro tem gol anulado, não sai do zero com Fluminense e permanece no Z4

Cruzeiro tem gol anulado, não sai do zero com Fluminense e permanece no Z4

Em jogo de ‘gigantes desesperados’, Cruzeiro e Fluminense se enfrentaram, na noite desta quarta-feira, no Mineirão, em Belo Horizonte, e não saíram do zero. O time celeste até pressionou, e chegou a ter um gol anulado, que gerou polêmica, mas a rede não balançou no Gigante da Pampulha. Com o péssimo resultado, a Raposa acumula mais uma rodada sem vitória no Brasileiro, chega a 21 pontos e permanece no Z4, na 18ª colocação.

Do outro lado, o 0 a 0 não foi tão ruim. Com sete pontos conquistados, nos últimos nove disputados, o Tricolor das Laranjeiras soma 26 pontos e segue respirando no 15º posto do certame. Cruzeiro pressiona, mas não marca Precisando urgentemente de uma vitória no Campeonato Brasileiro, o Cruzeiro foi só ataque nos primeiros minutos de bola rolando no Mineirão.

Com a marcação adiantada, o time de Abel Braga criou problemas para a saída de bola do Fluminense. Logo aos oito minutos, o Tricolor Carioca saiu jogando errado, Sassá serviu Fred, que rolou para Jadson. O meio campista tentou a finalização e Gilberto salvou em cima da linha. Na sobra, Sassá chegou batendo e balançou a rede, mas pelo lado de fora.

A pressão celeste seguiu intensa e David, por duas vezes, teve a chance de inaugurar o marcador em Belo Horizonte. Nas duas ocasiões, o atacante cruzeirense parou nas mãos do goleiro Muriel. Passados os instantes iniciais, a Raposa diminuiu o ritmo. A partir daí, o Flu equilibrou as ações e passou a aumentar seu volume ofensivo.

João Pedro, de cabeça, e Nenê, de falta, foram alguns dos lances de perigo em favor da equipe visitante. Nos minutos finais, a arbitragem assumiu o protagonismo do confronto. Já próximo aos acréscimos, Yuri se enrolou com Jadson, que ficou caído. O árbitro da partida resolveu expulsar o volante do Fluminense. Pouco depois, após consulta ao VAR, voltou atrás e aplicou apenas o amarelo.

Na sequência, a arbitragem foi novamente até o árbitro de vídeo analisar uma possível agressão de Fred, que só levou o amarelo. VAR entra em ação, e empate é mantido Na volta do intervalo, a Raposa voltou a pressionar o seu adversário. Nos chutes de fora, surgiram as melhores chances. Logo no primeiro minuto, Edílson arriscou de longe e acertou a trave de Muriel. Quase o primeiro gol celeste.

A insistência celeste seria premiada aos seis. Egídio avançou pela esquerda, e cruzou na cabeça de Fred, que testou para o fundo do gol. Porém, Jean Pierre, árbitra da partida, após olhar o VAR, enxergou falta de Robinho em cima de Gilberto, na origem da jogada. Nada feito. Mesmo depois do gol anulado, o time da casa continuou sufocando seu adversário.

O Flu, encurralado e sem aproximação dos homens de frente, passou a entregar a bola para seu adversário. Com o passar do tempo, a pressão cruzeirense foi dando lugar ao nervosismo. Com isso, a equipe carioca aproveitou o momento de instabilidade celeste e começou a aplicar seu jogo, trocando passes e minando a paciência dos mineiros.

Nos minutos finais, o nervosismo tomou conta da partida. O time da casa partiu para o abafa, mas não obteve sucesso. Fim de papo no Gigante da Pampulha, e nada de gols. Pior para o Cruzeiro, que segue seu drama pessoal na zona de rebaixamento.

O Gol