CSA é letal em Alagoas e aumenta jejum de vitórias do Corinthians na temporada

A fase do Corinthians é a pior da era Fábio Carille. Com uma sequência negativa de seis jogos sem vencer, o Alvinegro foi até o Rei Pelé, em Alagoas, para encarar o CSA. Com a bola rolando, mais uma péssima partida dos paulistas. O Azulão do Mutange, que nada tem a ver com isso, foi eficiente e aproveitou as oportunidades para vencer por 2 a 1.

Com mais um revés, o Alvinegro do Parque São Jorge soma seu sétimo jogo consecutivo sem vencer e já despencou do G4 para a sétima posição do Brasileiro. Do outro lado, o time alagoano segue sua saga na tentativa de fugir do Z4. O triunfo traz um respiro aos comandados de Argel Fucks, que agora postulam no 17º, a um ponto do Fluminense, primeiro time fora da zona da degola.

Corinthians vai mal, sai atrás, mas empata Mesmo jogando em casa, o CSA optou por uma postura mais reativa em Alagoas. O time comandado por Argel Fucks deu a bola nos pés do Corinthians, à espera de uma oportunidade para explorar a velocidade pelas pontas. O Timão, por sua vez, como tem sido nos últimos jogos, não conseguiu se impor e ter o domínio das ações.

Com passes improdutivos no setor defensivo, o time paulista pouco se aproximou da área adversária. Percebendo a passividade alvinegra, o Azulão do Mutange começou a aumentar seu volume no ataque. Até que aos 24, Jonatan Gomez recebeu rebatida de João Vitor e lançou Apodi, que ganhou de Fagner e tocou na saída de Cássio, abrindo o placar para o time da casa.

Os corintianos não fizeram um bom primeiro tempo, mas foram para o intervalo com o empate. Aos 44, Clayson cruzou, Gustagol cabeceou, mas Dawhan apareceu para fazer o corte. Na sobra, porém, a bola caiu nos pés de Pedrinho, que bateu firme e deixou tudo igual no Rei Pelé. Ricardo Bueno dá vitória aos alagoanos

Com algumas mudanças de posicionamento, o Corinthians buscou ser mais agressivo nos primeiros minutos da segunda etapa. Logo aos três, Mateus Vital, que entrou no lugar de Sornoza, arriscou de fora e levou perigo. A forte marcação alvinegra não durou muito tempo. Aos poucos, o CSA voltou a ganhar confiança e se arriscar no ataque.

O Azulão chegou primeiro com Bustamante, e depois com Ricardo Bueno, mas faltou um pouco mais de capricho nas duas finalizações. A ousadia azulina foi premiada aos 34. Celsinho cobrou escanteio e encontrou a cabeça de Ricardo Bueno, que, livre, recolocou sua equipe em vantagem no marcador.

Nos minutos finais, já sem poder de reação, o time paulista seguiu com a morosidade e o marasmo de sempre. A falta de criatividade culminou em mais uma derrota corintiana, a terceira nos últimos cinco jogos.

O Gol