João Pessoa 11/12/2018

Início » Destaque » Cubanos trabalhavam em ‘condição análoga à escravidão’, diz associação

Cubanos trabalhavam em ‘condição análoga à escravidão’, diz associação

Na nota, a AMB afirma que não irá “aceitar esta sabotagem com o povo brasileiro”

A AMB (Associação Médica Brasileira) afirmou neste sábado (17.nov.2018) que os cubanos trabalhavam em “condição análoga à escravidão“. A justificativa é o fato de os profissionais terem de repassar parte do salário a Havana e a mão de obra ser “alocada independentemente das condições de trabalho existentes”.

Para a associação, o governo brasileiro agiu “de forma temerária” ao transferir boa parte da responsabilidade pelo atendimento básico de saúde no país aos cubanos, deixando o Brasil “submisso aos horrores” do governo estrangeiro. Leia a íntegra.

Ainda de acordo com o texto, a decisão do governo de Cuba de retirar o país do programa Mais Médicos é uma “retaliação“.

Segundo a AMB, o país sofre com falta de distribuição de profissionais da saúde –mas não em questão de número, e sim de políticas de incentivo que atraiam profissionais aos municípios mais interioranos.

Atualmente, a categoria conta com mais de 450 mil profissionais. A associação acredita que o número é suficiente para atender às demandas da população. “Essa crise será resolvida com os médicos brasileiros“, destaca.

O documento sugere as seguintes ações emergenciais:

  • reformulação do Piso de Atenção Básica;
  • aumento de investimentos para a atenção básica municipal;
  • reforço do atendimento em áreas indígenas e de difícil acesso.

De acordo com a associação, não será com “ações paliativas” que o quadro da saúde pública será resolvido no Brasil.

novo edital do Mais Médicos deve ser lançado em breve, já com as novas medidas.

Poder360