De virada, Santa vence e está na final do PE

De virada, Santa vence e está na final do PE

santa vence peAtacante teve frieza para driblar Júlio César no gol de empate

A tarefa do Náutico era difícil. Pesavam nas costas alvirrubras uma luta contra o relógio, um constante perigo imposto pelos corais e a vantagem adversária, conquistada no primeiro jogo das semifinais. Todas essas preocupações funcionavam como arma para o Santa Cruz. Ao final do jogo de ontem, na Arena Pernambuco, a luta alvirrubra não conseguiu ser páreo a estratégia tricolor. Com o vitória por 2×1, mais uma decisão foi acumulada a equipe de Milton Mendes. Agora é com o título do Campeonato Pernambucano em jogo.

Há poucas dúvidas no fato de que qualquer vantagem, em partidas decisivas, é sempre bem-vinda. O Santa Cruz entrou em campo com a sua, conquistada no duelo da última quarta-feira, diante do mesmo Náutico, no estádio do Arruda. Seria inevitável que ela interferisse no futebol tricolor, apesar das tantas promessas do contrário antes do Clássico das Emoções deste domingo. Os alvirrubros precisavam do resultado, por outro lado. Pelo menos, dois gols de diferença em um placar de vitória para levar a decisão para os pênaltis. E os primeiros minuto do jogo foi de um ofensivo Timbu diante da tranquilidade Coral.

O técnico Dal Pozzo postou a equipe do Náutico com quatro homens bastante ofensivos, praticamente na mesma linha defensiva do Santa Cruz. Esquerdinha e Renan Oliveira foram os que mais procuraram jogo, pelo setor. Mas o destaque da partida pelo lado alvirrubro foi o zagueiro Ronaldo Alves. No campo defensivo, comandou o Timbu, e ainda foi o responsável por abrir o marcador aos 34 minutos do primeiro tempo. Gol que contou com bela bicicleta de Rodrigo Souza, gigante defesa de Tiago Cardoso, e bola chorada no fundo das redes após o cabeceio do defensor artilheiro.

A vantagem de 1×0 no placar, ao final do primeiro tempo, colocou de volta a esperança na cabeça do torcedor alvirrubro. Para quebrar a vantagem do Santa Cruz, no entanto, era necessário se expor. E não demorou muito, no segundo tempo, para os tricolores tirarem proveito disso: aos seis minutos, em contra-ataque, Grafite foi lançado, e o atacante abusou de sua tranquilidade para driblar Júlio César e empurrar a bola para o fundo das redes do Náutico.

Como era esperado, esse balde de água fria desestabilizou a equipe alvirrubra por todo o segundo tempo. A desorganização na busca pelo gol, ajudou apenas ao Santa Cruz. Inclusive, nos minutos finais do duelo, foram os tricolores que estiveram mais perto da vitória, que de fato conseguiu, aos 42 minutos, com Lelê. Ao Náutico coube apenas a luta, e mais um ano sem um título Estadual – 12 ao todo.

FICHA DE JOGO

Náutico 1

Júlio César; Joazi, Ronaldo Alves, Rafael Pereira e Gastón; Rodrigo Souza (Rafael Correia), Ygor, Esquerdinha (Valdívia) e Renan Oliveira (Roni); Daniel Morais e Tiago Santana. Técnico: Gilmar dal Pozzo.

Santa Cruz 2

Tiago Cardoso; Vítor (Léo Moura), Neris, Danny Morais e Tiago Costa; Uillian Correia, Leandrinho (Wellington Cezar) e Lelê; Arthur, Keno e Grafite (Bruno Moraes). Técnico: Milton Mendes.
Local: Arena Pernambuco
Horário: 16h.
Árbitro: Emerson Sobral.
Assistentes: Elan Vieira de Souza e Albino de Andrade Albert Junior.
Gols: Ronaldo Alves (aos 34 do 1ºT); Grafite (aos 6 do 2ºT); Lelê (aos 47 do 2ºT)
Cartões amarelos: Renan Oliveira, Esquerdinha, Rodrigo Souza, Joazi, Tiago Santana, Rafael Correia, Roni (Náutico); Neris, Grafite, Leandrinho (Santa Cruz)
Público: 15.596
Renda: R$ 288.940,00

Folha de Pernambuco