Delegado, agente e agente compõem Comissão de Disciplina vai apurar fuga de presos de cadeia - :: Paraiba Urgente :: Portal de Notícias

Delegado, agente e agente compõem Comissão de Disciplina vai apurar fuga de presos de cadeia

O secretário Wallber Virgolino, de Administração Penitenciária, designou o delegado Giovani Giacomelli dos Santos, a advogada Ângela Maria Barbosa de Almeida e o agente penitenciário Daniel da Rocha Cruz para comporem a comissão Permanente de Processo Administrativo Disciplinar para apurar a fuga de nove presos da Cadeia Pública de São Bento, no alto Sertão paraibano.
A decisão do secretário ocorre 24 horas após o governador Ricardo Coutinho ter assinado a exoneração do diretor daquela cadeia, Múcio Soares Diniz.
Um inquérito policial foi instaurado pela Polícia Civil para apurar as causas da fuga dos nove presos ocorrida na tarde do dia 12 deste mês. A direção da cadeia está sob o comando de agentes do Grupo Especial de Operações Especiais (GPOE).
Múcio Diniz já estava afastado da função desde a fuga dos nove detentos daquela cadeia. Um dos fugitivos, George dos Santos Diniz, é sobrinho do ex-diretor e considerado um dos chefes do grupo que fugiu.
Desde o dia 12, quando ocorreu a fuga, apenas dois dos fugitivos, Marciano Medeiros Silva, 23 anos e Elionielson Silva dos Santos, 19, foram recapturados.
Continuam foragidos, Artur Araújo Filho, João Batista Dantas de Araújo, José Romário Diniza da Silva, Manoel Ferreira de Sousa, Aldo Ferreira de Sousa, José Neto Alves Garcia e George dos Santos Diniz.
Denúncia – Qualquer informação sobre os foragidos podem ser repassadas através do telefone da Gerência de Inteligência da Seap 3218-4445, da Coordenação Penitenciária (24 horas) 3218-4480 ou pelo disk denúncia da Polícia Civil 197.
A fuga – no final da tarde do último dia 12, vizinhos da Cadeia Pública de São Bento, logo após a visita intima perceberam movimentação estranha e mesmo comunicando o fato, a fuga não foi evitada.
Para ‘deixarem’ a cadeia os nove apenados quebraram duas barras de cimento que ficam no teto e usaram redes (Tereza) para improvisar uma espécie de corda, para escalar até o lado de fora da cadeia. A hipótese de facilitação da fuga é a principal linha de investigação, segundo o secretário Wallber Virgolino.
No dia 10 de abril deste ano, Durante ‘pente fino’ naquela cadeia, foi descoberta uma fábrica de redes que funcionava irregularmente dentro de algumas celas. Além das máquinas para a fabricação de redes, foram recolhidos celulares, ferramentas, dinheiro e drogas durante a ação.
Cardoso Filho