Deputado cria Programa Popular de Formação para diminuir analfabetismo no trânsito

O deputado Toinho do Sopão (PEN) apresentou um importante projeto que visa diminuir o número de condutores analfabetos que dirigem sem habilitação na Paraíba.

A proposta é que o projeto seja realizado em parceria com o Departamento de Trânsito da Paraíba (Detran/PB) e a Secretaria Estadual da Educação. O parlamentar teve a iniciativa de apresentar o Projeto de Lei (PL) ao analisar os números oficiais divulgados pelo Batalhão de Policiamento de Trânsito da Paraíba (Bptran-PB). Segundo o órgão, na Paraíba, 70% dos motoristas flagrados sem habilitação são analfabetos.

Em 2012 das 27 mil infrações de trânsito, 8.014 foram de condutores que não tinham habilitação, o número é considerado “altíssimo e igualmente preocupante” pelo Batalhão de Policiamento de Trânsito do estado.

O projeto compreende três etapas: 1ª Sensibilização e explanação do Programa, através dos meios de comunicação, sob a responsabilidade  do Detran-PB; 2ª Realização de inscrição e seleção dos alunospara ingresso no programa, sob a responsabilidade do Detran-PB; 3ª Elaboração e multiplicação de material didático, sob a responsabilidade da Secretaria de Educação e Detran-PB.

O curso deverá ter duração de três meses, com três aulas por semana e duração de três horas cada, totalizando 108 aulas ao final do curso. A seleção será realizada de acordo com os critérios estabelecidos pelo programa.

O deputado Toinho do Sopão justificou o projeto alegando que muitos condutores não são analfabetos porque querem e sim porque trocaram a escola pelo trabalho. “Chamamos atenção para esta parcela da população que foi punida pela ineficiência dos governos que, durante décadas, deixaram de assistir aos pobres, empurrando-os ao trabalho desde a pouca idade, negando-os a oportunidade de estudar.

Para tentar reparar esses danos, a aprovação e, consequente implantação deste projeto por si só se justifica. Uma vez que muitos ainda são punidos pela história e, muitas vezes, utilizam métodos ilegais para conseguir sua habilitação”, destacou o parlamentar.

Ascom