João Pessoa 14/12/2018

Início » Variedades » Deputado criador do ‘Direita SP’ quer denunciar ‘ideologia em escolas’

Deputado criador do ‘Direita SP’ quer denunciar ‘ideologia em escolas’

O deputado eleito Douglas Garcia quer um canal de denúncias para que pais e alunos denunciem professores que considerarem estar fazendo "doutrinação ideológica"

Se depender de Douglas Garcia, 24, deputado estadual eleito pelo PSL-SP e fundador do Direita São Paulo, também a Assembleia Legislativa do estado terá seu canal de denúncias para que pais e alunos denunciem professores que considerarem estar fazendo “doutrinação ideológica” em sala de aula.

Douglas segue, assim, a colega de partido Ana Caroline Campagnolo, eleita para a mesma cadeira, só que em Santa Catarina.

O Ministério Público Federal instaurou inquérito civil para apurar a “suposta intimidação” a docentes do estado após a futura parlamentar conclamar estudantes catarinenses a dedurar professores que façam “queixas político-partidárias em virtude da vitória do presidente [Jair] Bolsonaro”.

Tanto ela quanto Douglas defendem o Escola Sem Partido, projeto que deseja expurgar o que for considerado “propaganda político-partidária” em colégios -uma proposta abraçada por conservadores que dizem temer conteúdo de viés esquerdista nas redes escolares.

Os textos, multiplicados por casas legislativas do país, também preveem veto a conteúdos “que possam estar em conflito com as convicções religiosas ou morais dos estudantes ou de seus pais”.

Douglas diz à reportagem que só oficializará a proposta do canal paulista em fevereiro, quando for diplomado como parlamentar. Assim teria “imunidade parlamentar para me proteger do que está acontecendo agora”. Ele considera o inquérito aberto contra Ana Caroline como uma “perseguição por parte do MP”.

A ideia, segundo ele, é receber denúncias via email, telefone e WhatsApp. “Assim como existe hoje o SOS Racismo, no gabinete da Leci Brandão, a gente vai ter um canal para doutrinação no meu gabinete.”

A equipe da deputada do PC do B afirma que, na verdade, o SOS Racismo, que tem um disque-denúncia contra o preconceito, a discriminação e a intolerância racial e cultural, é uma iniciativa do deputado Vicente Cândido (PT) -negro, assim como Leci e Douglas.

Defensora de varrer ideologias para fora da escola, a professora e agora política Ana Caroline posou em 2017 para foto em sala de aula vestindo camisa nas cores da bandeira nacional e com o rosto do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).

Para Douglas, isso nada tem a ver com o projeto que endossam. “Ela ganhou esta camiseta no final, de um aluno que trabalhava vendendo camisetas. Não estava usando enquanto dava aula”, diz ele, que disse à reportagem antes de ser eleito ter adorado ver a “esquerda em polvorosa” após criar o bloco carnavalesco Porão do Dops.

A Justiça proibiu a Direita São Paulo de fazer “apologia à tortura”, e o bloco acabou não saindo.

Uma das marchinhas parodiava o clássico “Cachaça Não É Água”: “Você pensa que bandido é gente/ Bandido não é gente, não/ Bandido bom tá enterrado/ Deitado dentro de um caixão”.

Com informações da Folhapress.