João Pessoa 22/03/2019

Início » Política » Deputado federal Marcondes Gadelha se prepara para encerrar sua carreira política

Deputado federal Marcondes Gadelha se prepara para encerrar sua carreira política

Ainda no final dos anos 1960, Marcondes Gadelha começou sua carreira política. Sua primeira eleição vitoriosa foi para o cargo de deputado federal pela Paraíba em 1970.

Atualmente, Gadelha exerce o mandato na vaga de Rômulo Gouveia, que faleceu no ano passado (Foto: Walla Santos)

O deputado federal Marcondes Gadelha (PSC) está prestes a se aposentar da política, de acordo com in formações do blog Os Guedes, publicada nesta sexta-feira (18). Ele não lançou seu nome à reeleição neste ano de 2018 e seu filho, Leonardo Gadelha, não conseguiu votos suficientes para assumir uma cadeira na Câmara Federal.

Ainda no final dos anos 1960, Marcondes Gadelha começou sua carreira política. Sua primeira eleição vitoriosa foi para o cargo de deputado federal pela Paraíba em 1970.

Filho do usineiro e “coronel” José de Paiva Gadelha, que constituiu família política e comandou embates memoráveis em Sousa contra grupos adversários, Marcondes foi eleito senador em 1982, derrotando o ex-governador Pedro Gondim. Disputou o governo do Estado em 1986, perdendo para Tarcísio Burity, e concorreu novamente ao Senado em 1990, desta feita sendo derrotado por Antônio Mariz, de quem foi adversário por muito tempo na política sousense. Os dois se conciliaram em 95, quando Mariz assumiu o governo e convidou Marcondes para ser seu secretário de Agricultura. Mariz morreu naquele mesmo ano vítima de câncer no cólon. Atualmente, Gadelha exerce o mandato na vaga de Rômulo Gouveia, que faleceu no ano passado. Em 2018, Marcondes optou por não disputar a reeleição, abrindo espaço para que o filho Leonardo tentasse eleger-se, o que não aconteceu.

A façanha maior que Marcondes protagonizou foi aceitar ser candidato a vice-presidente da República nas eleições de 1989, na chapa encabeçada pelo apresentador de televisão e dono do SBT, Sílvio Santos. A chapa teve seu registro cassado pelo TSE por alegadas irregularidades na constituição do PMB, um partido de aluguel no qual Sílvio Santos se inscrevera.

Gadelha fez residência médica em Brasília e cogitava especializar-se em cirurgia cardiovascular, mas, a pedido do seu pai, ficou em Sousa para participar dos acirrados embates políticos.

ClickPB