João Pessoa 11/12/2018

Início » Destaque » Deputados europeus querem impedir acordo com Mercosul por causa de Bolsonaro

Deputados europeus querem impedir acordo com Mercosul por causa de Bolsonaro

Falam em dúvida sobre democracia ‘Obrigações ambientais’ são citadas Impacto será só retórico e político

Visita do Presidente da República Francesa ao Parlamento Europeu em Estrasburgo.© European Union

8 deputados europeus repudiam posicionamentos de Jair Bolsonaro em temas como meio ambiente e direitos humanos© European Union

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, recebeu uma carta assinada por 8 deputados do Parlamento Europeu requerendo a suspensão das negociações de 1 acordo comercial do bloco com o Mercosul.

Poder360 teve acesso à carta (íntegra em inglês e tradução para o português), que foi apresentada em 15 de novembro de 2018. O texto cita “declarações do senhor Bolsonaro” que poderiam enviar “uma mensagem ao público de que a UE não se importa (…) com as mudanças climáticas e ambientais, e não se importa com elementos fundamentais da democracia”.

No início do documento, os deputados do Parlamento Europeu relembram falas controversas do presidente eleito, Jair Bolsonaro. Mostram preocupação com a “luz verde que ele [Bolsonaro] planeja dar à destruição da floresta Amazônica e de sua população indígena, e sobre o direito de divergência que será preso ou forçado ao exílio (sic)”.

Os políticos alegam que Bolsonaro aparenta “estar em total contradição com os valores europeus, com o quadro das Nações Unidas para os Direitos Humanos, e com o Acordo de Paris para combater as mudanças climáticas”.

Para os deputados, “a eventual continuação da negociação Mercosul-UE” seria “extremamente negativa”. Por essa razão, concluem: “Solicitamos que as negociações Mercosul-UE sejam suspensas imediatamente até que a Comissão possa estar segura de que o Brasil atende a suas obrigações democráticas e obrigações ambientais internacionais”.

IMPACTO SERÁ PEQUENO

A carta dos 8 deputados, 7 deles integrantes do Comitê de Comércio Internacional (INTA, na sigla em inglês –Committee on International Trade), teve impacto diminuto até este momento. No total, são 751 deputados no Parlamento Europeu.

A diplomacia recebeu a correspondência, por meio do gabinete do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, que não tomou nem deve tomar nenhuma decisão sobre suspender as negociações.

A maioria dos signatários é composta por políticos ligados a partidos de esquerda, como Xabier Benito Ziluaga, vice-presidente da Delegação do Parlamento Europeu para as Relações com o Mercosul, que é filiado ao Podemos, da Espanha.

Há também inúmeros deputados do Parlamento Europeu que são favoráveis ao acordo que está em negociação. Acabamos de ter uma reunião, ontem (19.nov.2018) com técnicos da União Europeia. No início de dezembro continua marcada nossa reunião com ministros do Mercosul para avançar nos termos do possível acordo. Essa carta não terá o menor impacto”, diz ao Poder360 o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira.

A única consequência, por enquanto, é que grupos políticos de esquerda continuam a vocalizar de maneira ativa uma retórica anti-Jair Bolsonaro. Assim como em outubro, quando alguns deputados europeus lançaram o manifesto “Democracia brasileira em risco”, em alusão à candidatura do militar.

Não é possível, neste momento, saber se mais adiante esse tipo de atitude terá algum efeito prático.

Poder360