João Pessoa 18/02/2019

Início » Destaque » Desafio ‘Bird Box” leva risco a vida de menores; PF faz alerta

Desafio ‘Bird Box” leva risco a vida de menores; PF faz alerta

A Polícia Federal de Pernambuco  lançou um alerta aos pais para que fiquem atentos à nova moda que pode colocar em risco a vida de crianças e adolescentes. O “Desafio Bird Box” é inspirado em um filme no qual os personagens aparecem fazendo atividades do cotidiano com os olhos vendados, para se protegerem de alienígenas que invadem a terra e enlouquecem as pessoas que olharem pare eles, levando-as a cometer suicídio.

 

Com o sucesso do filme, no final do ano passado, começou a circular nas redes sociais, uma espécie de jogo, estimulando crianças e adolescentes a imitar os personagens do filme e agir de olhos vendados. A ameaça do desafio é muito semelhante ao que acontece com os desafios da “Baleia Azul” e da “Boneca Momo”. A própria Netflix já alertou para o perigo do desafio.

 

Na Paraíba, a assessoria de imprensa da Polícia Federal informou que a instituição ainda não recebeu relato de atividade do desafio. Mesmo assim, a PF-PB está monitorando a situação e lançará um alerta semelhante assim que houver o primeiro registro.

 

Em Pernambuco, a PF está orientando os pais e responsáveis a redobrarem a atenção e ficarem atentos ao que os filhos estão fazendo ou sendo encorajados por terceiros a fazer, com o objetivo de evitar tragédias ou acidentes que coloquem em risco a vida de seus familiares, principalmente das crianças.

 

Em Pernambuco, a PF teve acesso a vídeos de internautas em que eles aparece tentando realizar tarefas cotidianas com os olhos vendados, imitando a ficção apresentada no filme Bird Box. “O desafio consiste fazer tarefas ou missões com os olhos vendados, como fazem os personagens do filme. Algo que parece simples e inocente, mas as pessoas estão perdendo a noção e fazendo coisas realmente perigosas, como atravessar a rua, correndo o risco de serem atropeladas ou cair num buraco, andar pela casa, correndo o risco de bater a cabeça nos móveis ou nas paredes provocando traumatismos cranianos, quebra pernas e braços ou até mesmo cair de determinadas alturas”, explicou o assessor de Comunicação Social da PF-PE, Giovanni Santoro.

PB Agora