Desemprego sobe e alcança o maior nível para maio em cinco anos

desemprego 1Taxa de desemprego tem subido gradualmente desde dezembro do ano passado(Thinktosck/VEJA)

A taxa de desemprego subiu para 6,7% em maio, informa o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira na Pesquisa Mensal do Emprego (PME). Apesar de ter subido apenas 0,3 ponto porcentual em relação a abril, cuja taxa foi de 6,4%, o índice alcançou o seu maior patamar desde maio de 2010, quanto chegou a 7,5%. No comparativo com todos os meses, foi a maior marca desde agosto de 2010, quando também ficou em 6,7%.

Em relação a maio de 2014, a quantidade de brasileiros brasileiros à procura de emprego subiu 38,5%, o que representa um acréscimo de mais de 454.000 pessoas. Segundo o IBGE, este é o maior crescimento observado na base de comparação anual da série histórica iniciada em 2002. Ao todo, o IBGE contabilizou 1,6 milhão de pessoas desocupadas em maio.

Já o rendimento médio do trabalhador verificado em maio foi de 2.117,10 reais. O número representa um decréscimo de 1,9% em relação a abril (2.158,74 reais) e de 5% ante o mesmo mês do ano passado (2.229,28 reais). A pesquisa ainda constatou que esta é a quarta queda consecutiva da renda média do trabalhador.

Desta forma, é possível depreender que a crise econômica que atinge todos os setores da economia brasileira começa a ter efeitos expressivos no mercado de trabalho. O desemprego vem crescendo gradualmente desde dezembro do ano passado e a renda média do trabalhador, caindo sucessivamente desde fevereiro.

No ano passado, durante campanha eleitoral, a presidente Dilma Rousseff citou por diversas vezes o baixo desemprego no país como evidência do sucesso das políticas econômicas adotadas em seu primeiro mandato – mesmo com a desaceleração da atividade econômica e o avanço da inflação. O mercado de trabalho foi um dos últimos a sucumbir à crise financeira.

Na comparação anual, a pesquisa verificou que houve redução de 0,7% no contingente de empregados, ou seja, 155.000 foram demitidas entre maio deste ano e o mesmo mês de 2014. Em relação a abril, a pesquisa registrou um aumento de 0,1%, ou 19.000 vagas criadas.

A Pesquisa Mensal de Emprego (PME) é produzida com 120.000 pessoas de seis regiões metropolitanas – Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre.

Na comparação regional, o IBGE detectou incrementos na taxa de desocupação em todas as seis regiões pesquisadas em maio ante o mesmo mês do ano passado. As maiores variações foram verificadas em Porto Alegre, que passou de 3% para 5,6%, e em Salvador, que foi de 9,2% para 11,3%. A pesquisa também constatou que o rendimento médio caiu em todas os locais, com destaque para o Rio de Janeiro, que registrou recuo de 6,3%.

(Da redação)