João Pessoa 11/12/2018

Início » Notícias » Dilma, Gleisi e Palocci: relembre a equipe de transição de Lula em 2002

Dilma, Gleisi e Palocci: relembre a equipe de transição de Lula em 2002

Nomes ganharam relevância Muitos tornaram-se ministros

Lula apresentando a equipe de campanha durante as eleições de 2002Reprodução

Em 2002, Dilma não imaginava que se tornaria a 1ª mulher presidente, Gleisi Hoffmann não era presidente do PT e Antônio Palocci não estava atrás das grades. Todos estes nomes tinham 1 ponto em comum: integravam a equipe de transição do recém eleito presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O grupo, coordenado por Palocci, era responsável por apresentar 1 diagnóstico dos órgãos do Executivo e dos problemas e condições para enfrentá-los nas principais áreas do governo federal.

Na época, a equipe foi dividida em 5 grupos de trabalho: Gestão e Governo; Desenvolvimento Econômico; Políticas Sociais; Infraestrutura; e, Empresas Públicas e Instituições Financeiras do Estado.

A equipe de transição ficava no CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil), a 4 km do Palácio do Planalto. Atualmente, o local é usado pelo grupo que planeja a gestão de Jair Bolsonaro (PSL).

Ao todo, 51 pessoas participaram da transição em 2002 e muitos dos nomes anunciados, em 12 de novembro, tornaram-se quadros importantes na política nacional. Leia alguns abaixo.

DILMA ROUSSEFF

Na época, foi coordenadora da equipe de infraestrutura. Era conhecida como 1 quadro técnico do partido. Foi secretária de Energia, Minas e Comunicações do Rio Grande do Sul e tinha acabado de filiar-se ao PT, em 2001, vinda do PDT. Chamou atenção de Lula pela 1º vez, segundo o livro “Vultos da República“, por ser a única da equipe que usava 1 laptop.

Posteriormente foi nomeada ministra de Minas e Energia, e, em 2005, chefe da Casa Civil do governo Lula. “Acho que ela pode ser uma boa candidata para o Brasil”, disse o então presidente em novembro 2008, quando a cogitava para sucedê-lo. O resto todos já conhecem.

GLEISI HOFFMANN

A atual presidente do PT e deputada eleita não era uma das principais aliadas de Lula. Filiada ao PT desde 1989, Gleisi tinha acumulado experiências como secretária de Gestão Pública de Londrina (PT) e de gestão financeira no governo do Mato Grosso do Sul. Ela fez parte da equipe de Gestão e Governo durante a transição.

No 1º governo Lula, advogada assumiu a diretora financeira da Itaipu Binacional e ficou no cargo até 2006. Em 2010, foi eleita senadora pelo Paraná, mas, em 2011, foi nomeada ministra da Casa Civil no 1º governo de Dilma. Ficou no cargo por 3 anos.

ANTONIO PALOCCI

Preso desde 26 de setembro de 2016, o “italiano” nas planilhas da Odebrecht foi 1 dos homens fortes do governo Lula. O então ex-prefeito de Ribeirão Preto (PT) tornou-se ministro da Fazenda e ficou no cargo por 3 anos. Foi eleito deputado em 2006. Assumiu o ministério da Casa Civil no início da gestão de Dilma, em 2011, mas ficou no cargo apenas 6 meses, quando pediu demissão por denúncias de improbidade administrativa.

Em 2017, foi condenado pelo juiz Sérgio Moro a 12 anos e 2 meses de prisão no âmbito da Lava Jato por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

OUTROS NOMES

Além destes nomes, muitos outros fizeram carreira após participar do governo de transição. Sérgio Gabrielli, então coordenador da equipe de Empresas Públicas e Instituições Financeiras do Estado, foi presidente da Petrobras (2005 a 2012).

O coordenador da equipe de políticas sociais, Humberto Costa, virou ministro da Saúde (2003-2005). Hoje o petista é senador reeleito pelo Estado de Pernambuco.

Após participar do governo de transição, Miriam Belchior foi coordenadora do PAC (Programa de Aceleração de Crescimento) durante toda gestão Lula (2003-2011). Depois foi ministra do Planejamento durante o 1º governo Dilma (2011-2015).

CUSTO DA EQUIPE

Os indicados para compor a equipe eram remunerados e ocupavam Cargos Especiais de Transição Governamental, divididos em 7 categorias. Os salários eram de R$ 3.116,69 e R$ 19.807,86 (valores atualizados pelo IPCA). Dilma estava na categoria de nível 5 e recebia R$ 15.327,98, por exemplo. Hoje os salários da equipe de Bolsonaro vão de R$ 2.585,13 a R$ 16.581,49.

Em valores atualizados, o custo total apresentado para as despesas e a folha de pagamento durante 2 meses de funcionamento da transição foi de R$ 3,8 milhões.

Lula apresentando a equipe de campanha durante as eleições de 2002

Poder360