Dinaldinho Wanderley afirmou, que a Assembleia Legislativa não pode ser uma sucursal do Governo do Estado.

Dinaldinho Wanderley afirma que AL não pode ser sucursal do Governo do Estado

dinaldo wanderleyO deputado estadual diplomado Dinaldinho Wanderley afirmou, neste sábado, que a Assembleia Legislativa não pode ser uma sucursal do Governo do Estado. Ele falou que os deputados precisam ter liberdade para trabalhar em prol do povo e que cobrará do governador reeleito Ricardo Coutinho (PSB) a execução de promessas de campanha.

“Minha atuação como deputado será respeitosa ao governador, mas não deixarei de cobrar promessas de campanha, como a duplicação da BR-230, Hospital de Trauma em Patos, instalação da UEPB no Vale do Piancó e o tratamento da água de Coremas”, disse Dinaldinho, em entrevista ao jornalista Ary Ramalho.

O parlamentar criticou o debate que envolve a sucessão na presidência da ALPB. “Acredito que anteciparam a eleição, que será em fevereiro. A conversa rola desde novembro. É até um desserviço, pois os deputados deveriam estar trabalhando mais. A LOA já deveria ter sido votada”, declarou.

Dinaldinho formou um grupo na ALPB juntamente com Camila Toscano, Tovar Correia Lima, Renato Gadelha, Bruno Cunha Lima e Manoel Ludgério. Esse grupo que envolve deputados do PSC, PSD e PSDB vai votar junto, no mesmo presidente”, contou Dinaldinho. E acrescentou: “Queremos que a AL não seja sucursal do governo. É essa a nossa convicção. Ainda não definimos o voto. Acredito que Ricardo Marcelo pode sim sair candidato. Tudo pode ocorrer ainda, com duas ou três chapas”.

Sobre a possibilidade de disputar a Prefeitura de Patos em 2016, o deputado estadual admitiu que seu nome poderá ser avaliado. “Nunca neguei o sonho de administrar a prefeitura de Patos. Ainda não pensei em 2016. Seria muita presunção de minha parte. Não existe nada confirmado. Sou funcionário do povo. O povo dirá o que devo fazer”, finalizou o parlamentar.

MaisPB