Dirceu diz que se candidatou ao emprego de gerente “por necessidade”

ZÉ DIRCEUO ex-ministro José Dirceu, que começou a cumprir pena inicial de 7 anos e 11 meses de prisão em regime semiaberto, contou com a ajuda do empresário Paulo Masci de Abreu, dono do Saint Peter Hotel, em Brasília, para trabalhar fora da prisão como gerente administrativo do empreendimento. Abreu é amigo íntimo de Dirceu e de próceres petistas. Na carteira de trabalho — assinada em 22 de novembro pelo empregador camarada —, o petista vai receber R$ 20 mil por mês. O curioso é que, no organograma do Saint Peter, conforme informações repassadas pelo próprio hotel ao Correio, não existe a tal gerência administrativa. Há uma gerência geral e seis gerências setoriais, e todas se encontram ocupadas. A Vara de Execuções Penais confirmou que recebeu o pedido de trabalho externo, mas ainda não sabe informar em quanto tempo o caso será analisado.

O Saint Peter é de um amigo íntimo de José Dirceu. O cargo de gerente administrativo não consta no organograma da empresa (Carlos Moura/CB/DA Press)
O Saint Peter é de um amigo íntimo de José Dirceu. O cargo de gerente administrativo não consta no organograma da empresa

 

Todos os documentos necessários para autorização do trabalho fora do presídio, a exemplo do contrato de trabalho, estão anexados à petição encaminhada ao Supremo Tribunal Federal, disponível no andamento eletrônico do processo. O horário de expediente é das 8h às 17h, com intervalo para almoço. A gerente-geral do hotel, Valéria Rodrigues Linhares, responsável pelo contrato de trabalho do ex-ministro, recebia, em agosto do ano passado, R$ 1,8 mil.

Paulo Masci de Abreu, um dos dois donos do Saint Peter, é irmão de José Masci de Abreu, presidente do Partido Trabalhista Nacional (PTN). No questionário que respondeu para ser contratado, Dirceu responde que se candidatou à vaga de emprego “por necessidade e por apreciar hotelaria e área administrativa.” Diz também que, nas horas de folga, gosta de “ler, assistir a filmes e viajar”. No mesmo questionário, ele se declara católico e não fumante, diz que não tem tatuagens e que gosta de caminhar. A ficha com as perguntas foi respondida por Dirceu em 18 de novembro, três dias após a prisão

 

CB