João Pessoa 22/05/2019

Início » Notícias » Dívida pública sobe 1,69% em novembro, para R$ 3,82 trilhões

Dívida pública sobe 1,69% em novembro, para R$ 3,82 trilhões

Emissão de títulos puxou alta Em outubro, eram R$ 3,76 tri

O PAF (Plano Anual de Financiamento) estabelece que a dívida pública deve oscilar de R$ 3,78 trilhões a R$ 3,98 trilhões em 2018Rafael Neddermeyer/Fotos Públicas

A dívida pública do governo federal, que inclui débitos no Brasil e exterior, atingiu R$ 3,826 trilhões em novembro. O montante representa alta nominal de 1,69% em relação a outubro, quando somava R$ 3,763 trilhões.

As informações são do relatório mensal da dívida, divulgado nesta 4ª feira (26.dez.2018) pela Secretaria do Tesouro Nacional, do Ministério da Fazenda.

A dívida pública é emitida pelo Tesouro para financiar o deficit orçamentário do governo, ou seja, para cobrir as despesas que superam a arrecadação com impostos e contribuições.

Com o resultado de novembro, a dívida entrou no intervalo estabelecido como meta pelo governo federal. O PAF (Plano Anual de Financiamento) estabelece que ela deve oscilar de R$ 3,78 trilhões a R$ 3,98 trilhões em 2018.

“Eu acho que não se trata de ter sido conservador, se trata de o Tesouro ter desenhado uma série de cenários possíveis para o ano e ter chegado próximo a finalizar o ano dentro desse cenário previsto”, disse o coordenador de Operações da Dívida Pública, Roberto Lobarinhas.

O crescimento da dívida foi puxada pela emissão líquida de R$ 34,68 bilhões em títulos públicos. Além disso, também foram contabilizadas R$ 29,02 bilhões em despesas com juros.

Em novembro, a dívida interna –pagamentos e recebimentos em real– registrou alta de 1,59%, para R$ 3,679 trilhões. Já a dívida externa –operações em moeda estrangeira– aumentou 4,37%, passando a R$ 146,96 bilhões.

VOLATILIDADE MARCA NOVEMBRO 

Segundo Lobarinhas, novembro foi marcado pela volatilidade nos mercados doméstico e externo. No cenário internacional, pesou a guerra comercial e a queda do preço do petróleo.

“No mercado interno, o mercado permaneceu atento a fatores relacionados à reforma da Previdência e à formação da equipe econômica. Apesar desse pano de fundo, o mês foi positivo”, disse.

Ele afirmou que preocupações se dissiparam, por exemplo, com as declarações mais conciliatórias do presidente americano, Donald Trump, e também com os indicadores de inflação, que vieram abaixo do esperado.

COMPOSIÇÃO DA DÍVIDA

Em relação à composição da dívida, houve a seguinte variação:

  • títulos com remuneração prefixada – participação aumentou de 32,51% em outubro para 32,86% em novembro;
  • títulos pós-fixados – participação subiu 35,27% em outubro para 35,40% para novembro;
  • títulos indexados ao IPCA – participação caiu de 28,31% em outubro para 27,72% em novembro;
  • títulos atrelados à taxa de câmbio – participação subiu de 3,91% em outubro para 4,02% em novembro.

DETENTORES DA DÍVIDA

Os fundos de investimentos são os principais detentores da dívida pública brasileira, com 26,28 % do total. Na sequência, aparece o grupo Previdência, com 24,70%. Destacam-se também as instituições financeiras, com 23,08%.

A participação dos investidores estrangeiros apresentou nova queda, ao passar de 11,97% em outubro para 11,74% em novembro.

Poder360