Doença na boca é comum em pessoas diabéticas e exige tratamento combinado

diabetes dentetistaO diabetes — doença que atinge cerca de 14 milhões de pessoas no Brasil — pode estar associado à cegueira, obstrução dos vasos e alteração nos rins e nos nervos. Mas, pouca gente sabe que pode agravar problemas na boca. Conhecida na fase inicial como gengivite e, quando grave, como periodontite, a doença periodontal é uma inflamação comum em pessoas com diabetes devido a sua dificuldade em reagir a processos inflamatórios. Por ser bidirecional — influencia e sofre influência do diabetes —, a doença deve ser tratada em parceria.

— O médico deve trabalhar com o periodontista para “linkar” essa associação. Se o paciente tem periodontite e herança familiar de diabetes, o periodontista deve sugerir a ida ao médico. Já o clínico pode encaminhar o paciente ao periodontista, quando há necessidade — explica a periodontista Tatiana Franco.

Como a doença bucal interfere na produção de insulina,é preciso diagnosticá-la cedo:

— O médico tenta controlar o diabetes, mas não consegue porque o paciente tem uma atividade na boca que prejudica — diz Tatiana, que explica que o tratamento é feito com raspagem da gengiva, mas que não há cura: — Se o paciente não mantiver a higiene bucal, as bactérias voltam.

O diagnóstico precoce e a qualidade de vida ainda são as melhores formas de prevenir e tratar a diabetes.

— Todo adulto tem que pedir avaliação médica. Os sintomas demoram a aparecer e a identificação da glicemia é essencial — diz Francisco Kerr Saraiva, cardiologista e pesquisador da PUC Campinas.

Dados do diabetes

Pacientes — Mais de 422 milhões de pessoas no mundo têm diabetes, sendo 30 milhões delas na América do Sul e Central. Até 2040, estima-se que esse número aumente 65% na região, segundo a Federação Internacional de Diabetes (IDF).

Mortes — Na América do Sul e Central, 247.500 adultos morreram por diabetes em 2015, sendo mais da metade dessas mortes (130 mil) no Brasil.

Doença silenciosa — Estima-se que cerca de 50% dos diabéticos desconhecem ser portadores, uma vez que os sintomas podem demorar ou nunca aparecer.

Consequência — Aproximadamente 76% de pacientes diabéticos mal controlados possuem doença periodontal em algum grau de desenvolvimento.

Extra Online