Dois homens morrem baleados e um bebê fica ferido em Iriri - :: Paraiba Urgente :: Portal de Notícias

Dois homens morrem baleados e um bebê fica ferido em Iriri

auDois homens morreram e um bebê de sete meses ficou ferido, por volta das quatro da manhã deste sábado, em Iriri, município da Região Sul do Estado. A tragédia aconteceu em uma casa de praia, alugada por um grupo de pessoas para curtir o carnaval.
Quando as mulheres, que haviam saído para comprar cerveja, chegaram em casa, encontraram o corpo de Lutierry Nascimento dos Santos, 22 anos, caído na varanda da residência, além de Lucas da Silva Máximo, 19 anos, baleado na rua e sua filha, de sete meses, aos prantos e com um ferimento na perna.
A namorada e a sogra de Lucas, que morreu no hospital, acreditam que um grupo de pessoas tenha chegado atirando nos homens, sem se preocupar com a presença da menina de sete meses. Dona Maria, avó de Lutierry, diz não ter dúvidas que o alvo dos tiros era o seu neto.

“Ele era uma pessoa muito boa, mas mexia com drogas, tenho certeza que o alvo dos tiros era ele”, desabafa.

A mãe de Lucas está revoltada. Segundo ela, o filho mal conhecia Lutierry e morreu por causa dele. “Estou em desespero, o meu filho não deve nada a ninguém e morreu de graça”, afirma.

A criança foi atingida de raspão e passa bem.

Testemunhas dizem que vítimas não se conheciam
Segundo as famílias das vítimas, Lucas e Lutierry não se conheciam. Os dois estavam na mesma casa de praia porque participavam de uma excursão que levou cerca de 25 pessoas da Grande Vitória para passar o carnaval em Iriri.
Os jovens chegaram ao balneário na noite de sexta-feira, poucas horas antes do crime acontecer. Lutierry teria saído de Santa Inês, Vila Velha, onde mora, e viajado com alguns amigos para a praia. Já Lucas, que é de Ilha do Príncipe, Vitória, estava acompanhado da família da namorada e da filha de sete meses.
De acordo com a sogra do jovem, uma comerciante de 44 anos, Lucas iria passar o carnaval em Ponta da Fruta, com a irmã e a mãe. Poucos dias antes, no entanto, ele conseguiu uma vaga na excursão que ia para Iriri e decidiu viajar com a namorada.
“Não tinha mais vaga para ficar na casa com a gente, mas ele queria ir. Aí ficava ligando pra minha filha pedindo para ela conseguir um lugar para ele. Esta semana, seis pessoas desistiram de viajar. Ele queria muito passar o carnaval com a gente”, contou.
Drogas e munição dentro de carro roubado
Em frente à casa onde o crime aconteceu – e próximo ao corpo das vítimas – foi encontrada a chave de um carro. Policiais que atenderam a ocorrência fizeram buscas nas proximidades da casa e encontraram o carro, um Hyundai i30 prata, estacionado.
Dentro do veículo havia drogas e munições: os policiais apreenderam cinco frascos de lança-perfume, 12 comprimidos de ecstasy, um carregador de pistola, quatro munições, um relógio, um pendrive, chaves, boné e um celular.
Segundo a polícia, o carro encontrado estava com a placa clonada. Após consulta, os policiais militares descobriram que ele foi roubado há poucos dias em Vitória.O veículo foi encaminhado à delegacia de Piúma, onde o crime será investigado.
Namorada soube de morte por acaso
Horas depois do crime, ao sair de um pronto-atendimento com a filha de sete meses – que foi baleada de raspão –, a namorada de Lucas descobriu, por meio de uma funcionária do hospital, que o jovem havia morrido.Segundo a estudante, de 20 anos, ela foi até o pronto-atendimento para fazer um raio-X na perna do bebê. Quando saía do local, ela escutou uma funcionária dizendo que um rapaz, internado no local, havia morrido após ser baleado.
A estudante, que não sabia que o namorado estava naquele hospital, descobriu que o jovem que havia morrido era Lucas.“Eu pedi para a mulher me descrever a pessoa que tinha morrido. Aí ela disse que era um rapaz moreno, que tinha uma tatuagem na mão. Quando ela falou da tatuagem, eu soube que era ele”, contou, abalada.
A prima da namorada de Lucas, uma adolescente de apenas 12 anos, foi quem reconheceu o corpo do rapaz no Departamento Médico Legal (DML).

PUBLICIDADE