Duelo de Titãs: Galaxy S8 x iPhone X

Celulares – Divulgação / Agência O Globo

RIO – Se na corrida pela preferência dos aficionados por tecnologia a Samsung estava à frente da Apple desde abril, quando a sul-coreana lançou seu modelo top de linha S8, na terça-feira o jogo se equilibrou com o anúncio do iPhone X — a nova aposta premium da empresa fundada por Steve Jobs. Segundo analistas, a disputa é acirrada, com vantagens pontuais de ambos os lados em diferentes funcionalidades.

De maneira geral, porém, a Apple apresenta melhor desempenho, apesar de ter deixado a desejar no quesito inovação, visto que diversas características apontadas como novas pela empresa já eram encontradas na concorrência. Para Jackson Laskoski, diretor de tecnologia da ConexTI, a falta de surpresas levanta dúvidas acerca do legado da empresa após a morte de Steve Jobs.

— Em muitos aspectos, o que a Apple fez na terça-feira foi elevar o iPhone para o mesmo patamar da concorrência. Tirar o botão de início, ampliar a tela, implementar o carregamento sem fio… Nada disso é novo. O próprio design dos celulares lembra muito o da Samsung. E isso preocupa, principalmente os que acompanharam a história de tradição de inovação da empresa — disse ele, destacando, porém, o reconhecimento facial como uma das novidades da versão X.

O reconhecimento dos rostos torna possível não só o destravamento do telefone, mas também a criação de emojis que repetem os mesmos movimentos faciais do usuário. Apesar de a Samsung ter adotado um tipo semelhante de tecnologia — que permite destravar o aparelho por meio do reconhecimento da íris —, o iPhone inaugura uma tendência de realidade aumentada. Pelo menos, é o que defende o colunista do GLOBO Pedro Doria, lembrando que ela vai além dos emojis.

— No quesito segurança, não há grandes diferenças entre as tecnologias das empresas, mas a quantidade de dados e experiência que a Apple vai adquirir com o 3D é gigantesca. Bonequinhos que te copiam podem parecer bobos, mas mostram que a empresa caminha para um mundo de realidade virtual, que é o futuro.

Quando o assunto é configurações gerais, porém, há um consenso mais bem delimitado entre os especialistas. Apesar de as especificações técnicas do modelo da Samsung serem superiores em diversos aspectos, como resolução de tela, memória RAM e núcleos de processamento, o fato de o sistema operacional do iPhone ser produzido pela própria Apple confere mais unidade ao produto final.

— Menos importante do que a especificação técnica é a capacidade de integração do hardware com o software — explica Doria

Laskoski concorda

— A relação do iPhone com o iOS é muito suave, muito limpa, e o aparelho acaba funcionando melhor, com melhor performance. A Samsung ainda luta com um sistema que não é dela e, por isso, sai em desvantagem.

A Samsung, porém, ganha no quesito câmera. Para especialistas, as diferenças são mínimas, mas as fotos do S8 têm melhor resolução, especialmente em situações com pouca luz. Mas a nova tela do iPhone, de tecnologia Oled, promete mais qualidade na percepção das cores — apesar de se aproximar muito da tela Super Amoled do S8.

— São cores mais vivas, o que é mais fácil de perceber em jogos. Mas é uma diferença quase teórica — resumiu Laskoski.

O Globo