Dupla é condenada a prisão por morte de vereador em júri na Paraíba

justiçaDois homens acusados de matar o vereador da cidade Serra Branca Geraldo Caetano, em 2013, foram condenados em júri popular na quinta-feira (28). Marcelo Ferreira da Silva foi condenado a 26 anos de prisão, enquanto Leandro Gomes Teixeira teve pena fixada em 22 anos. O julgamento durou mais de 10 horas e aconteceu no Complexo Judiciário Promotor Genival Torrão, em Serra Branca.

O crime aconteceu no dia 21 de agosto de 2013. A vítima estava no trailer em que trabalhava vendendo lanches. As investigações apontam que um dos acusados, Marcelo Ferreira da Silva, chegou ao local, pediu um lanche e na hora de pagar a conta disparou várias vezes em Geraldo Caetano.

A dupla foi condenada por homicídio qualificado em regime fechado. Os dois continuaram presos na penitenciária máxima do Complexo Penitenciário Regional Raymundo Asfora, em Campina Grande.

O julgamento foi conduzido pelo juiz Leonardo Sousa de Paiva Oliveira. Na sentença, ele diz que “os motivos do crime estão atrelados à pistolagem, chaga nordestina que vitima pais de família em troca de alguns trocados manchados. O crime deixou na orfandade os familiares e amigos e mesmo a sociedade serrabranquense, diz a sentença.

Relembre o caso
Ainda conforme a Polícia, quem encomendou o assassinato foi José Sandro, ex-sócio da vítima. Com a ajuda do ex-motorista, Leandro Gomes Teixeira, eles contrataram Marcelo Ferreira da Silva, que executou a vítima. A polícia acredita o crime foi motivado pelo rompimento da sociedade entre Geraldo Caetano e José Sandro, que eram donos de uma funerária.

“O empresário José Sandro queria matar Geraldo Caetano e, para isso, pediu a ajuda de Leandro Teixeira, para que ele conseguisse um pistoleiro. O motorista procurou então o Marcelo Ferreira, que é seu ex-cunhado. Dias antes do crime, durante uma reunião, o empresário deu uma pistola calibre 380 para Marcelo fazer o serviço. Após a execução, o pistoleiro pegou o dinheiro e fugiu para Alagoas”, relatou à época o delegado Rodrigo Monteiro.

A Polícia Civil chegou aos acusados após prender Leandro Gomes Teixeira, em setembro de 2013. Ele contou todos os detalhes do caso. Poucos dias depois, Marcelo Ferreira foi encontrado e preso no estado de Alagoas. Ele confessou o crime e afirmou que recebeu R$ 1 mil de José Sandro para matar o vereador.

G1-PB