‘É duro para Bolsonaro fazer ajustes para policiais’, diz Guedes sobre declaração do presidente

‘É duro para Bolsonaro fazer ajustes para policiais’, diz Guedes sobre declaração do presidente

O ministro da Economia, Paulo Guedes, em audiência pública da Comissões de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, fala sobre a reforma da Previdência.

De acordo com o ministro da Economia, o Brasil tem força suficiente para cobrir o rombo das contas públicas

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quinta-feira (4) acreditar que a Câmara dos Deputados vai aprovar a reforma da Previdência antes do recesso parlamentar, no dia 18 de julho.

Guedes esteve em evento com empresários e executivos do setor financeiro, em São Paulo. O ministro da Economia voltou a afirmar que a proposta de reforma da Previdência, enviada pelo governo, tem força suficiente para cobrir o rombo das contas públicas e levar a um segundo passo, a transição para o sistema de capitalização.

Paulo Guedes se mostrou confiante com o apoio de parlamentares. “Estamos tendo apoio. Eu confio do trabalho do Congresso brasileiro e acho que semana que vem teremos isso aprovado.”

Questionado sobre o presidente Jair Bolsonaro afirmar que o Governo errou em proposta de aposentadoria para policiais, Guedes disse que já fez a parte dele e que agora esse é um problema político a ser resolvido pelo Congresso. O ministro da Economia ainda afirmou que o presidente é um homem de coração grande e grato a uma categoria que sempre esteve ao lado dele.

“Ele sabe que no início da campanha quem estava com ele eram os militares, eram as pessoas que ele protegeu ao longo de décadas. Ele é um homem transparente, é duro para ele fazer uma reforma e ter que fazer ajustes duros para trás, principalmente com gente que é fiel a ele a tanto tempo.”

O ministro também apontou que a reforma tributária, com a simplificação dos impostos, é “iminente”, seja de autoria do Governo ou dos Deputados. Guedes ainda disse que as reformas levarão a uma consequente queda de juros no país, atraindo investidores em infraestrutura.

O ministro da Economia ressaltou que o Governo tem dois anos para reduzir e acabar com impostos, lembrando do prazo para o acordo entre Mercosul e União Europeia entrar em vigor. Guedes voltou a falar da provável entrada do Brasil na OCDE e garantiu que a abertura gradual da economia brasileira está assegurada.

Ele também declarou que, em cinco ou seis dias, será anunciada uma série de iniciativas para deixar o custo de energia mais barato.

*Com informações da repórter Victoria Abel

  • Jovem Pan