Economistas veem pouco benefício ao PIB com liberação do FGTS

Economistas veem pouco benefício ao PIB com liberação do FGTS

Paulo Guedes anunciou a liberação das contas do FGTS logo após a divulgação do resultado negativo do PIB no 1º trimestre. Segundo economistas consultados pelo Poder360, o efeito será limitado

A liberação de recursos de contas ativas e inativas do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) para impulsionar a demanda é algo visto com reservas por economistas ouvidos pelo Poder360. Para eles, tendem a ser tímidos os efeitos da medida que o ministro Paulo Guedes cogita. Contas do PIS/Pasep também deverão ser liberadas.

A equipe econômica discute os detalhes da medida, que viria somente depois da aprovação da reforma da Previdência. Se for antes disso, diz Guedes, o estímulo causaria 1 voo de galinha. Com a reforma aprovada, ele espera que o estímulo possa ser uma espécie de faísca a levar a demanda para outro patamar.

A medida deve injetar algo entre R$ 20 e R$ 30 milhões na economia, dependendo dos detalhes. No final de 2016, o então presidente Michel Temer fez a mesma coisa, com impacto um pouco maior, de R$ 40 bilhões.

Zeina Latif, economista-chefe da XP Investimentos, afirma que os efeitos serão bem menores do que no governo Temer, e não apenas porque o volume financeiro é inferior. “Na época, as pessoas estavam endividadas. O dinheiro liberado permitiu que quitassem os débitos. Foi 1 alívio. Hoje, a alavancagem das famílias é baixa”, diz Latif.

Outro ponto que a economista ressalta é que o estímulo ao consumo, esperado com a liberação das contas, não é a maior necessidade da economia hoje. O consumo das famílias teve alta de 0,3% no 1º trimestre, enquanto o PIB (Produto Interno Bruto) como 1 todo teve queda de 0,2%. Dos itens que compõem a demanda, houve quedas expressivas dos investimentos (1,7%) e das exportações (1,9%).

Para André Perfeito, economista-chefe da Nucton, o governo superestima o efeito da medida e até mesmo da reforma da Previdência. “A expectativa é de que isso elevaria a confiança na economia, e então tudo ficaria melhor. Mas não será assim”, afirma.

Latif ressalta que o presidente Michel Temer conseguiu promover a coordenação e expectativas no país para tirar o país da recessão de 2015 e 2016. O atual governo, porém, não tem conseguido isso.

Elevar a demanda é algo que não será conseguido com as medidas microeconômicas propostas pelo governo, que incluem a desburocratização e a eliminação de obstáculos à competitividade.

Ele acha que seria possível conseguir resultados mais significativos com a retirada de tributos do consumo. Admite que é difícil fazer isso imediatamente, já que se discute uma reforma tributária no Congresso. O problema, adverte, é que os resultados tendem a demorar.

O economista Carlos Eduardo de Freitas, ex-diretor do Banco Central, considera difíceis de identificar as causas da baixa demanda da economia brasileira hoje.

A liberação de recursos do FGTS pode ajudar a resolver o problema, mas a forma como o governo pretende fazer isso está longe de ser a melhor das opções.

“O ideal é que os trabalhadores tenham maior liberdade para usar o dinheiro que está lá, mas a mudança deve ser algo estrutural, não uma medida episódica”, afirma o economista.

Ele avalia que, com a maior remuneração do FGTS, seria possível ter flexibilidade de saque semelhante às contas de investimentos em bancos. “Não há risco de isso acabar com os recursos para investimentos bancados pelo fundo. As pessoas iriam deixar parte do dinheiro lá, assim como deixam nos bancos”, diz.

Eduardo Velho, economista-chefe da GO Associados, está entre as vozes mais favoráveis à medida cogitada pelo governo. “Será 1 estímulo pequeno, mas ajudará. Mostrará boa vontade do governo. E sem impacto fiscal”, explica.

Na avaliação do economista, houve excesso de otimismo na virada do ano, o que leva à atual frustração como desempenho da economia. Agora, diz, é o contrário: as pessoas estão vendo um futuro pior do que o real.

Poder360