João Pessoa 21/02/2019

Início » Mundo » Efeito ‘Bolsonaro bump’ foi tímido e jornais tradicionais perdem assinantes

Efeito ‘Bolsonaro bump’ foi tímido e jornais tradicionais perdem assinantes

Assinaturas digitais têm alta modesta Globo: saldo positivo entre grandes Revista Veja perde 401 mil assinantes

Os 10 mais importantes jornais brasileiros registraram redução de 35.947 exemplares (edições impressas e digitais) em 2018

A eleição de Donald Trump para presidente dos Estados Unidos impulsionou veículos jornalísticos norte-americanos em 2017 e 2018. Foi o Trump bump: leitores liberais passaram a consumir mais notícias e a pagar por esse produto.

Jornais como o New York Times tiveram resultados cada vez melhores em seus balanços depois da eleição de Trump.

No Brasil, o “Bolsonaro bump” foi modesto. Havia uma expectativa de que os veículos jornalísticos pudessem ter 1 aumento significativo nas suas vendas durante a campanha eleitoral e depois da eleição de Jair Bolsonaro.

Até agora, os números disponíveis indicam que os jornais tradicionais no Brasil seguiram perdendo tiragem impressa. Na versão digital houve ganhos, mas tímidos.

MENOS ASSINANTES EM 2018

Os 10 mais importantes jornais brasileiros tiveram 1 saldo conjunto negativo na circulação em 2018. Houve redução de 35.947 exemplares (edições impressas e digitais). O quadro a seguir mostra uma “maré vermelha” de percentuais negativos para quase todos os veículos:

GLOBO LIDERA NO PAÍS

O jornal fluminense da família Marinho assumiu a liderança isolada. Teve 315.044 exemplares digitais e impressos por dia, em média, em dezembro de 2018. É seguido pela Folha de S.Paulo, que terminou o ano passado com uma média de 310.677 cópias diárias.

Globo também terminou 2018 no azul quando se comparam as tiragens totais. O jornal aumentou sua circulação impressa e digital em 19.636 cópias, muito por causa do avanço de suas assinaturas digitais –que tiveram uma alta de 28.384 no ano.

A diferença entre Globo e Folha nas assinaturas de digitais se estreitou. No início de 2018, o jornal paulista tinha uma dianteira de 26.150 exemplares. Agora, essa cifra caiu para 12.435, como mostra a tabela acima neste post.

IMPRESSO: FOLHA É 4ª COLOCADA

O jornal da família Frias reinou absoluto por muitos anos com a maior tiragem impressa do Brasil. Já não é assim há algum tempo.

Em 2018, a Folha terminou o ano com média de 103.501 exemplares impressos por dia. Ficou atrás do jornal popular mineiro Super Notícia (138,5 mil), Globo(120,3 mil) e até do seu rival direto no mercado paulista, o Estadão (107,4 mil).

O principal jornal de notícias econômicas e financeiras do Brasil, o Valor, segue desidratando sua versão impressa. Terminou o ano com 27.481 exemplares, queda de 5,8%. Aumentou a venda de assinaturas digitais, agora em 60.759, uma alta modesta de 1.708 exemplares em 12 meses (2,9%).

REVISTAS DESCEM A LADEIRA

Uma tendência registrada em vários países também se repete no Brasil. Embora o IVC Brasil (Instituto Verificador de Comunicação) ainda não tenha os dados fechados de 2018 sobre revistas, as informações preliminares não são animadoras.

VEJA PERDEU 401.048 EXEMPLARES

De janeiro a novembro de 2018, a revista Veja perdeu 401.048 exemplares (impressos e digitais). Começou o ano com 1.203.372 cópias. Em novembro, segundo o IVC, havia deslizado para 802.324 –sendo 439.596 exemplares impressos e 362.728 digitais. A Veja é uma das publicações da Editora Abril, empresa que foi vendida recentemente por simbólicos R$ 100.000.

ÉPOCA: CIRCULAÇÃO INDECIFRÁVEL

A revista passou há algum tempo a ser entregue como 1 encarte do jornal O Globo. O IVC não informa exatamente como calcula o que são exemplares vendidos individualmente de Época e o que são cópias encartadas no jornal. Só se sabe que a circulação total, em novembro, foi de 498.631 exemplares –sendo 244.050 impressos e 254.581 digitais.

ISTOÉ: SEM INFORMAÇÕES

Há muito tempo a revista da Editora Três não se submete à auditoria do IVC e sua circulação é 1 mistério.

CONHEÇA OS DADOS DESDE 2014

A seguir, os quadros evolutivos das circulações impressas e digitais dos principais veículos jornalísticos diários do Brasil.

Em janeiro de 2018 os jornais brasileiros tiveram uma alta expressiva em suas circulações, mas tratou-se apenas de 1 ajuste contábil.

Em dezembro de 2017, os maiores diários brasileiros tinham, juntos, 580 mil assinantes digitais. Em janeiro de 2018, o número pulou para 749 mil. Tratou-se de 1 estupendo aumento de 29,1%, como noticiou o Poder360 neste post de agosto de 2018.

O IVC esclareceu o que se passou por meio de seu presidente, Pedro Silva:

“Em janeiro de 2018 tivemos alteração dos valores máximos permitidos de desconto. Isso quer dizer que alguns assinantes que não pagavam o suficiente para serem considerados ‘circulação paga’ passaram a ser contabilizados. Isso explica o aumento expressivo de um mês para o outro e a não continuidade do crescimento nos meses seguintes”.

E de quanto pode ser o desconto? Segundo o documento do IVC datado de 1º de janeiro de 2018, no caso de assinaturas digitais, o abatimento passou de até 90% do valor cobrado das edições impressas.

Diferentemente de vários veículos nos Estados Unidos que são empresas abertas e com ações negociadas em Bolsa de Valores, no Brasil as empresas de mídia são fechadas. Por essa razão são poucos conhecidos os resultados financeiros de cada uma –e o impacto que têm as assinaturas digitais, que crescem mas resultam em faturamento não tão robusto como eram as vendas das edições em papel.

Poder360