João Pessoa 23/04/2019

Início » Destaque » Efraim vê ‘guerra de desinformação’ sobre Previdência e evita fala polêmica de Maia

Efraim vê ‘guerra de desinformação’ sobre Previdência e evita fala polêmica de Maia

O deputado federal, Efraim Filho (DEM) culpou “interesses políticos” e “guerra de desinformação” durante o período eleitoral como o grande entrave na visão das pessoas a respeito da reforma da Previdência Social. Em entrevista nesta segunda-feira (11), Efraim afirmou que a proposta foi desvirtuada e evitou comentar a declaração polêmica do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia.

Para Efraim, a reforma que tem chances de passar é a que significa quebra de privilégios, alegando que no atual sistema, os trabalhadores da iniciativa privada que se aposentam com um salário mínimo pagam os salários do setor público como juízes, promotores e políticos.

“Eu defendo um sistema só com regras iguais para todos, duras ou não, se valerem para todo mundo é o jogo da regra transparente. Eu defendo que esses que ganham muito como juízes, promotores e políticos, tenham a mesma regra e se aposentar com no máximo R$5 mil. Quem quiser ter uma previdência complementar aí paga do seu bolso e não se aposenta cedo”, disse, alertando ainda para o fato de que o déficit da previdência de R$ 190 bilhões é que o governo paga para quem ganha muito e está faltando para quem ganha pouco.

Efraim ainda acrescentou que a “guerra de desinformação e interesses políticos” perto da campanha eleitoral, “principalmente pessoas ligadas à oposição” começaram a desvirtuar o que significa a proposta.

“Ninguém fala que se não fizer mudanças, vamos ver no Brasil o que aconteceu no Rio de Janeiro com servidor recebendo salários parcelados. Ninguém está fazendo tratamento de choque, mas existem estados que não estão conseguindo pagar essa conta”, disse.

A respeito da declaração de Rodrigo Maia que afirmou que “todo mundo consegue trabalhar até os 80 anos”, no Brasil, sendo que a expectativa de vida do brasileiro é 72 anos e existem lugares que não chega a 60, o deputado falou das questões da previdência e não se aprofundou.

Com informações da Rádio Band News Manaíra.