EI explode templo da era romana em Palmira.

templo de DamascoTemplo de Baal Shamin, em Palmira, na Síria. Estado Islâmico explodiu construção da era romana – Bernard Gagnon / Wikimedia Commons

DAMASCO — O chefe do Departamento de Antiguidades do governo sírio Maamoun Abdul Karim afirmou que militantes do Estado Islâmico demoliram o templo de Baal Shamin, uma das maiores relíquias arqueológicas da cidade de Palmira.

A explosão do templo marca a primeira vez em que os insurgentes, que controlam largas porções de território na Síria e no Iraque, e capturaram Palmira em maio, destroem ruínas de templos da era romana.

Construído nos primeiros séculos da era cristã, o templo era dedicado ao deus fenício dos raios e das tempestades. Uma reforma datada de 258 d.C. adicionou influência egípcia à arquitetura do santuário.

Há uma semana, jihadistas decapitaram Khaled Asaad, um acadêmico de 82 anos que trabalhou por mais de 50 anos como responsável pelas antiguidades de Palmira, depois de detê-lo e interrogá-lo por mais de um mês.

Membros do governo afirmam que retiraram centenas de estátuas antigas da cidade antes que Palmira fosse capturada pelo Estado Islâmico, temendo que elas fossem destruídas pelos jihadistas.

Em junho, o Estado Islâmico explodiu dois templos da Antiguidade em Palmira. As construções não eram do período romano, mas aforam consideradas pagãs e heréticas pelos membros do grupo.
O Globo