Eleições 2018: direita acha porta-voz e alianças partidárias perdem vez

Eleições 2018: direita acha porta-voz e alianças partidárias perdem vez

O petista Fernando Haddad (dir.) foi derrotado por Jair Bolsonaro nas eleições de 2018

As eleições de 2018 foram pautadas, principalmente, pelo avanço de políticos conservadores.

Sem ligação com partidos tradicionais e sem grandes recursos disponíveis do Fundo Eleitoral eles representaram a insatisfação da população com partidos tradicionais, como PT, PSDB e MDB. O principal indicativo dessa nova fase da política é a eleição de Jair Bolsonaro (PSL) como presidente do Brasil.

A direita ganhou disputas em Estados importantes. Minas Gerais elegeu o empresário Romeu Zema,  o 1º governador da história do partido Novo. Rio de Janeiro será comandado pelo juiz Wilson Witzel, do PSC. O partido também elegeu Wilson Lima no Amazonas. Até esse pleito, a sigla nunca havia ganho 1 Executivo estadual.

A popularidade de Bolsonaro impulsionou o PSL e levou a sigla a eleger  3 governadores: comandante Moisés (SC)Antonio Denarium (RO) e coronel Marcos Rocha (RR). O partido formou a 2ª maior bancada da Câmara dos Deputados, com 52 eleitos.

A disputa eleitoral foi diferente das anteriores. Alianças partidárias e tempo de televisão não foram fatores determinantes para o sucesso dos postulantes. O candidato tucano Geraldo Alckmin conseguiu formar a maior coligação, com 9 partidos e o maior tempo de TV, com 5min e 32s, mas amargou a 4º colocação, com 4,76% dos votos válidos.

Foi o pior desempenho da história do PSDB nas eleições presidenciais. Pela 1ª vez desde 1989 ficaram fora do 2º turno. Naquele ano, Mário Covas ficou em 4º lugar, atrás de Leonel Brizola, Lula e Fernando Collor.

Já o candidato Jair Bolsonaro conseguiu colar a imagem de outsider –apesar de ter 28 anos de Câmara– e aproveitou a insatisfação da população com o establishment político.

Depois de polarizar o com o PT por mais de 20 anos, o PSDB perdeu espaço e o eleitor crítico às administrações petistas passou a ver Bolsonaro como principal alternativa.

Além de críticas à política econômica intervencionista adotada por Lula e Dilma, algo marcante em discursos tucanos, esse eleitorado também se identifica com pautas morais –entre elas a flexibilização do porte de armas de fogo, a redução da maioridade penal e a criminalização do aborto. Os temas são defendidos com veemência por Bolsonaro e evitados pelo PSDB.

O presidente eleito contou com somente 8 segundos de tempo de televisão no 1º turno e se coligou apenas com o nanico PRTB, sigla comandada pelo folclórico Levy Fidelix, que era até 2018 figura carimbada em eleições presidenciais. O partido indicou o vice, general Hamilton Mourão.

O PT pretendia concorrer com Lula. O ex-presidente está preso em Curitiba desde 7 de abril, onde cumpre pena de 12 anos e 1 mês após condenação imposta pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) no âmbito da Lava Jato por lavagem de dinheiro e corrupção passiva.

Mesmo com o encarceramento de Lula, a sigla tentou reverter sua condenação e insistiu em lançá-lo à Presidência. O PT chegou a registrar a candidatura no TSE, mas o tribunal decidiu indeferi-la na madrugada de 1º de setembro com base na Lei da Ficha Limpa.

Fernando Haddad assumiu a candidatura petista a presidente no dia 11 de setembro, a 26 dias da eleição de 1º turno. Disputou o 2º turno com Bolsonaro.

O pleito deste ano chegou a ter mais de 20 pré-candidatos, mas foram 13 que chegaram a registrar a candidatura no TSE.

Concorreram Jair Bolsonaro (PSL), Fernando Haddad (PT), Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (Rede), Henrique Meirelles (MDB), Alvaro Dias (Podemos), Cabo Daciolo (Patriota), Guilherme Boulos (Psol), João Amoedo (Novo), João Goulart Filho (PPS), Eymael (DC) e Vera Lúcia (PSTU).

A curva dos candidatos no 1º turno pode ser analisada no agregador de pesquisas do Poder360, o mais completo da web brasileira:

 

Manuela D’ávila (PC do B), Rodrigo Maia (DEM), Flávio Rocha (PRB), Fernando Collor (PTC), Aldo Rebelo (SD), Paulo Rabello de Castro (PSC), Valéria Monteiro (PMN), Levy Fidelix (PRTB) e Michel Temer (MDB) afirmaram que iam concorrer, mas desistiram da empreitada.

Leia a seguir 1 resumo dos temas que dominaram as eleições:

JAIR BOLSONARO TOMA UMA FACADA

O candidato vencedor do PSL fez uma campanha com poucos recursos e investiu na comunicação através das mídias sociais. Seu discurso encontrou eco em uma ampla parcela da sociedade brasileira.

O eleitorado recebeu bem suas opiniões conservadoras nos costumes, com críticas ao protagonismo de movimentos sociais de mulheres, negros e LGBTs, e endurecimento quanto às punições contra criminosos.

Mesmo sem contar com estruturas política e econômica, manteve-se líder em todas as pesquisas eleitorais desde que Lula foi impedido de concorrer por estar condenado. Bolsonaro tentou fechar alianças partidárias na sua campanha, mas recebeu “não” de diversas legendas, como o PR, que se juntou à siglas do Centrão ao se coligar com Alckmin, e o nanico PRP, que preferiu ser aliado de Álvaro Dias.

O militar também enfrentou dificuldades para encontrar seu candidato a vice. Foram cotados Janaína Paschoal (PSL), Magno Malta (PR), general Augusto Heleno (PRP), Luiz Felipe de Orleãns e Bragança (PSL) e Marcos Pontes (PSL). Nenhum deles aceitou concorrer ao cargo. O escolhido foi o general Hamilton Mourão (PRTB).

Por ter ficado no topo das pesquisas, Bolsonaro foi alvo de ataques de grande parte de seus concorrentes ao Planalto. Marina SilvaGeraldo AlckminCiro Gomes Fernando Haddad partiram para cima do pesselista em debates, redes sociais e no programa eleitoral de rádio e televisão.

Em debate realizado pela Rede TV no dia 17 de agosto, Marina disse que Bolsonaro tenta soluções “por meio do grito”.

Você acha que pode resolver tudo no grito, na violência. A coisa que uma mãe mais quer é ver 1 filho ser educado para ser cidadão de bem, e você fica ensinando para os nossos jovens que tem que resolver as coisas na base do grito, Bolsonaro?”, falou a então candidata pela Rede.

O ponto de inflexão na eleição aconteceu em 6 de setembro durante comício realizado na cidade de Juiz de Fora (MG). Ao participar de caminhada com apoiadores, o futuro presidente foi atingido por uma facada. O autor do crime, Adélio Bispo Oliveira, está preso na cidade mineira.

No dia do atentado, o político do PSL recebeu mensagens de solidariedade inclusive de seus adversários políticos. Bolsonaro foi internado no hospital Albert Einstein, em São Paulo, e deixou de participar de atos de campanha nas ruas e dos debates televisivos.

Mesmo depois de receber alta, o político não compareceu aos debates. Comunicava-se através de seus perfis nas redes sociais e em entrevistas dadas a veículos jornalísticos como a Record, cujo dono Edir Macedo declarou apoio a Bolsonaro, e ao apresentador José Luiz Datena, simpático às pautas defendidas pelo presidente eleito.

Bolsonaro enfrentou Haddad no 2º turno das eleições presidenciais e se manteve na dianteira das pesquisas de intenção de voto durante todo o tempo. A curva dos candidatos pode ser analisada no agregador de pesquisas do Poder360:

Na reta final da eleição, o então postulante do PSL sofreu alguns reveses. Um dos problemas foi a denúncia de impulsionamento de mensagens anti-PT pago com dinheiro não declarado.

A reportagem da Folha de S. Paulo serviu como base para que a campanha de Haddad entrasse com uma ação no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para anular a candidatura de Bolsonaro. O tribunal pediu que o político do PSL se manifestasse, mas não abriu inquérito.

Outra dor de cabeça foram declarações dadas por Bolsonaro e por seus filhos. Durante transmissão feita pelo Facebook no dia 21 de outubro, o então candidato a presidente disse que “os vermelhos terão duas opções: deixar o país ou a cadeia” e que tinha “lugar guardado na cadeia” para Haddad e o também petista senador Lindbergh Farias (RJ).

O deputado federal reeleito Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) causou problemas ao dizer que “para fechar o STF bastaria 1 jipe e 1 soldado”.

O PT aproveitou os 2 episódios e preparou uma série de ofensivas judiciais contra Bolsonaro.

A vantagem entre Bolsonaro e Haddad nas intenções de voto diminuiu, mas o fôlego que o petista conseguiu não foi suficiente e o pesselista foi eleito presidente da República com 55% dos válidos.

HADDAD SUBSTITUI LULA

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad se tornou o candidato do PT depois de o TSE barrar a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva com base na Lei da Ficha Limpa, que impede condenados de disputarem cargos públicos.

Além de Haddad, o partido via como alternativa à candidatura de Lula o nome do ex-governador da Bahia e ex-ministro da Casa Civil Jaques Wagner. Petista histórico, ele chegou a ser convidado para disputar a Presidência, mas preferiu concorrer a uma vaga no Senado pela Bahia.

Lula foi preso no dia 7 de abril pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Ele cumpre pena na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba.

O ex-presidente foi condenado em 2ª Instância pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) com base em 1 processo da Operação Lava Jato que o acusa de receber 1 tríplex no Guarujá (SP) da empreiteira OAS .

Ele continuou sendo a opção da sigla para disputar o Palácio do Planalto em 2018 mesmo após sua prisão.

Em 5 de agosto, prazo final para os partidos realizarem as convenções, integrantes do PT e do PC do B se reuniram na capital paulista. Lá foi anunciada a desistência da candidatura a presidente de Manuela D’Ávila (PC do B) e o apoio dos comunistas ao PT.

Pelo acordo, Fernando Haddad seria 1 candidato a vice de Lula temporariamente. Manuela entraria como vice na chapa em todas as hipóteses. Na remota possibilidade do deferimento da candidatura de Lula, Haddad abriria mão da vaga de vice para a aliada.

No caso do indeferimento, Haddad passaria –como passou– para a cabeça de chapa com Manuela formalizada na vice.

Na data limite, a Executiva Nacional do PT se reuniu em Curitiba, onde Lula está preso, e aprovou a alteração na chapa: Haddad como presidente e Manuela como vice.

Haddad chegou ao fim da corrida presidencial com a menor participação no pleito de 2018. Foram 47 dias, a partir de 11 de setembro, quando foi oficializado como o nome do PT à Presidência.

O ex-prefeito de São Paulo marcou sua campanha com participações muito distintas nos 2 turnos.

Inicialmente, voltou suas forças a se consolidar no Nordeste, principal reduto petista. Estratégia que deu certo: foi a região que lhe garantiu avançar para a 2ª fase da disputa.

Surpreendido com o forte desempenho de Bolsonaro, deu uma guinada ao centro para tentar aumentar sua frente de apoio. Neste desafio, não foi tão bem sucedido.

O ex-ministro da Educação procurou o apoio de nomes como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), que preferiu ficar neutro. Ainda no ninho tucano, que optou por não apoiar ninguém no 2º turno, 1 dos ex-presidentes do partido optou por declarar voto em Haddad. Alberto Goldman disse que “não queria pagar para ver” um governo de Bolsonaro.

Nos últimos dias que antecederam as eleições de 2ª turno, Marina Silva, o ex-presidente do STF Joaquim Barbosa (PSB) e o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot declararam apoio ao petista.

Assim, a frente mais ampla defendida por Haddad ganhou o reforço que o petista não conseguiu capitalizar ao longo de toda a campanha. Mesmo fazendo apelos, Ciro Gomes e Fernando Henrique não se engajaram.

PSDB DERRETE

Há mais de 20 anos, os tucanos eram os principais antagonistas do PT. Depois de Dilma Rousseff vencer por uma margem apertada  de Aécio Neves – 51,64% contra 48,36% do tucano -, em 2014, o 2º mandato da petista não existiu na prática e o Legislativo, liderados pelo então presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB-RJ), inviabilizou os projetos de interesse do governo federal.

O embate entre Dilma e o Congresso Nacional teve seu ápice em 2016, quando o impeachment foi aprovado e o vice Michel Temer (MDB) assumiu o Palácio do Planalto.

Em 2017, o PSDB também enfrentou 1 grande desgaste. Gravação na qual Aécio Neves pede ao empresário Joesley Batista que pague despesas com advogados em processo da Lava Jato gera uma crise interna na sigla e o mineiro, natural candidato ao Planalto em 2018, perde relevância.

Aécio sai de cena e faz uma campanha discreta para deputado federal em Minas Gerais. O PSDB aposta todas suas fichas na candidatura de Geraldo Alckmin. O tucano consegue fechar a maior aliança partidária desse pleito. Além do PSDB, 8 partidos fecharam com o ex-governador de São Paulo: Solidariedade, PR, PRB, DEM, PSD, PTB, PP, PP .

Percebendo que perdia o eleitor crítico ao PT para Jair Bolsonaro, o paulista trabalhou em suas propagandas televisas uma estratégia para desconstruir o pesselista.

Em inserção de televisão divulgada no dia 1 de setembro, a narradora do PSDB pergunta: “Você gostaria de ser tratada desse jeito?”. Em seguida, é exibida uma discussão entre Bolsonaro e a deputada Maria do Rosário (PT-RS). O militar afirma: “Dá que te dou outra, dá que te dou outra”, em tom de ameaça.

Depois, o vídeo indaga: “[Você gostaria] que sua mãe fosse tratada assim?” É exibida, então, uma entrevista em que Bolsonaro chama a repórter de “idiota” e “ignorante”.

Novamente, aparece o capitão com Maria do Rosário, mas chamando-a de “vagabunda”.

Apesar disso, o desempenho do tucano não foi satisfatório e ele patinou nas pesquisas, raras vezes ficando com 2 dígitos na porcentagem de intenções de voto.

No entanto, figuras mais à direita do PSDB como João Doria se fortaleceram dentro do partido. Ele e os governadores eleitos Eduardo Leite (RS) e Reinaldo Azambuja (MS) declararam apoio a Bolsonaro no 2º turno.

CIRO TENTA SER A 3ª VIA

Assim como fez nas eleições presidenciais de 1998 e 2002, o ex-governador do Ceará procurou se mostrar como uma alternativa à polarização entre PT e PSDB. Com Lula preso e Alckmin patinando nas pesquisas, o pedetista chegou a ser uma grande aposta neste pleito eleitoral.

O ex-ministro da Fazenda de Itamar Franco dialogou com partidos de diversas ideologias, tanto no campo da esquerda como PSB e PC do B, como o chamado Centrão, composto por DEM, Solidariedade, PR, PRB e PP.

No entanto, as negociações de Ciro foram atropeladas pelos seus adversários na disputa eleitoral. O Centrão formalizou apoio ao tucano Geraldo Alckmin e o PC do B com o PT de Fernando Haddad.

O PSB era visto por Ciro como uma das alianças prioritárias, sendo oferecido o cargo de vice ao partido, mas uma negociação feita pelo PT impediu que os pessebistas embarcassem no projeto do ex-ministro e a sigla adotou neutralidade no 1º turno.

Ciro chegou às eleições coligado apenas com o nanico Avante e sua vice foi a senadora Kátia Abreu, também do PDT. O candidato contou com apenas 38 segundos de propagando de televisão, mas ainda assim conseguiu ficou em 3º lugar, com 12,47% dos votos válidos. Desempenho quase 3 vezes superior ao do 4º lugar Alckmin, que era o dono do maior latifúndio de alianças.

De temperamento forte, ele protagonizou algumas polêmicas durante o pleito eleitoral. Chegou a chamar o vereador Fernando Holiday (DEM-SP) de “capitãozinho do mato”, disse que a promotora de São Paulo que aceitou o processo de Holiday é “filho [sic] da puta”, chamou Bolsonaro de “projeto de Hitlerzinho tropical” e que o PT faz o país “dançar na beira do abismo”.

Apesar do estilo verborrágico, o cearense se absteve de participar das discussões políticas durante o 2º turno das eleições. Ele passou a maior parte dessa fase do pleito na Europa. Ciro saiu do Brasil dia 11 de outubro, 1 dia depois do PDT anunciar “apoio crítico” a Fernando Haddad.

Nenhum representante do PDT participou de atos de campanha ao lado de Haddad. Pelo contrário, o irmão de Ciro e ex-ministro da Educação Cid Gomes (PDT-CE) chegou a discutir com militantes do PT após cobrar autocrítica do partido. Durante a briga chegou a afirmar que o PT iria perder a eleição e “que seria bem-feito”.

Além disso, 3 dos 4 candidatos a governador do PDT que disputaram o 2º turno declararam apoio a Bolsonaro. A única excessão foi o governador reeleito Waldez Goes (AP). Apoiaram o candidato do PSL, Amazonino Mendes (AM), Odilon de Oliveira (MS) e Carlos Eduardo Alves (RN), todos os 3 não foram eleitos.

Depois de Cid brigar com militantes petistas, ele gravou 1 vídeo no qual declarava que Haddad é o “melhor para o Brasil”. Quando Ciro voltou para o país na antevéspera da eleição, a expectativa era que uma gravação nos mesmos moldes fosse feita. No entanto, o 3º lugar na disputa pelo Planalto criticou Bolsonaro, mas sem declarar apoio a Haddad.

2018 EM DATA DAS ELEIÇÕES

Julho

(20.jul): PDT oficializa Ciro Gomes candidato.

(21.jul): Psol oficializa Guilherme Boulos candidato.

(21.jul): PSTU oficializa Vera Lúcia como candidata.

(22.jul): PSL oficializa Jair Bolsonaro candidato.

(26.jul): Centrão anuncia apoio a Geraldo Alckmin.

(28.jul): Democracia Cristã oficializa Eymael como candidato.

Agosto

(1.ago): PT faz acordo por neutralidade do PSB.

(2.ago): Ana Amélia (PP-RS) é escolhida vice de Geraldo Alckmin.

(4.ago): PSDB oficializa Geraldo Alckmin candidato.

(4.ago): Rede oficializa Marina Silva candidata.

(4.ago): Podemos oficializa Alvaro Dias candidato.

(4.ago): Novo oficializa João Amoedo candidato.

(4.ago): Patriota oficializa Cabo Daciolo como candidato.

(5.ago): General Hamilton Mourão é escolhido vice de Jair Bolsonaro.

(5.ago): Kátia Abreu é escolhida vice de Ciro Gomes.

(5.ago): PPL oficializa João Goulart Filho como candidato.

(5.ago): Manuela D’ávila desiste de candidatura e PC do B se coliga com PT.

(9.ago): Debate presidencial da Band.

(14.ago): Rosa Weber assume Presidência do TSE.

(15.ago): PT registra Lula como candidato no TSE.

(17.ago): Debate presidencial da Rede TV.

Setembro

(1.set): TSE barra candidatura de Lula.

(6.set): Bolsonaro leva facada durante comício em Juiz de Fora (MG).

(9.set): Debate presidencial da TV Gazeta.

(11.set): PT oficializa Haddad candidato a presidente e Manuela como vice.

(16.set): Bolsonaro recebe alta da UTI e vai para unidade semi-intensiva.

(20.set): Debate presidencial da TV Aparecida.

(26.set): Debate presidencial do SBT.

(28.set): Edir Macedo declara apoio a Bolsonaro.

(29.set): Bolsonaro recebe alta do hospital Albert Einstein.

(30.set): Debate presidencial da TV Record.

Outubro

(4.out): Debate presidencial da TV Globo.

(7.out): Bolsonaro e Haddad vão para o 2º turno das eleições.

(7.out): João Doria anuncia apoio a Bolsonaro.

(8.out): Eduardo Leite (PSDB-RS) anuncia apoio a Bolsonaro.

(8.out): Ratinho Júnior (PSD-PR) anuncia apoio a Bolsonaro.

(8.out): Ana Amélia (PP-RS) anuncia apoio a Bolsonaro.

(9.out): PSDB decide ficar neutro no 2º turno.

(9.out): PSB apoia Haddad, mas libera diretórios do DF, SP e SE.

(10.out): PDT anuncia “apoio crítico” a Haddad.

(11.out): Ciro viaja para Europa e se afasta do cenário político.

(12.out): Carlos Eduardo Alves (PDT-RN) anuncia apoio a Bolsonaro.

(18.out): Folha de São Paulo denuncia compra não declarada de mensagens anti-PT pela campanha de Bolsonaro.

(22.out): Marina Silva declara apoio a Haddad.

(26.out): Ciro volta ao Brasil e desembarca no aeroporto de Fortaleza sem declarar apoio a Haddad.

(27.out) Joaquim Barbosa declara apoio a Haddad.

(27.out) Rodrigo Janot declara apoio a Haddad.

(28.out) Bolsonaro é eleito presidente.

Poder360