Eleições na Índia e na Europa representam uma enxurrada de notícias falsas

Eleições na Índia e na Europa representam uma enxurrada de notícias falsas

Mais de 1/4 do conteúdo compartilhado pelo Partido Bharatiya Janata e 1/5 do conteúdo compartilhado pelo Congresso Nacional Indiano é junk newsReprodução/Nieman Lab

*por Laura Hazard Owen

O fluxo crescente de relatórios e dados sobre notícias falsas, desinformação, conteúdo partidário e news literacy é difícil de acompanhar. Este resumo semanalmostra os destaques que você pode ter perdido.

Velocidade impressionante. A Bloomberg visitou o Vishvas News, maior prestador de serviços de verificação de fatos em línguas indianas do Facebook, para ver como as coisas aconteciam durante as eleições gerais no país asiático (os resultados divulgados em 23 de maio deram ao partido do primeiro-ministro Narendra Modi, o BJP, uma vitória esmagadora). Pallavi Mishra, responsável pelo Vishvas“passou duas semanas conservando com usuários da internet em pequenas cidades. Descobriu que a maioria das pessoas é tão nova no meio das redes sociais que não sabe nada sobre conteúdo falso. Compartilham histórias indiscriminadamente, em uma velocidade impressionante. Ser o 1º a compartilhar as coisas em seus meios dava uma sensação de vitória em uma maratona”, diz ela.

Cerca de 90% dos usuários de internet que entram no meio digital hoje não falam inglês. Muitas vezes atuam de forma mais confiante do que os usuários experientes. Em hindi, por exemplo, 1 post falso no Facebook que dizia que buscava vagas de emprego na empresa de metrô da cidade de Jaipur pediu aos interessados que enviassem detalhes pessoais. Em poucas horas, cerca de 20.000 responderam com nomes, e-mails e números de telefone.

A Índia tem 900 milhões de eleitores registrados e cerca de 67% destes votaram. Mas o Vishvas News tem apenas 7 verificadores de fatos em tempo integral. A Índia tem 23 línguas oficiais; “O Facebook contratou pessoas para verificar o conteúdo em 10 desses idiomas, mas esses funcionários estão espalhados e mais de uma dúzia de idiomas não está sendo analisada”.

Estudo da Microsoft de fevereiro deste ano descobriu que, de 22 países, os cidadãos indianos são os mais propensos a encontrar notícias falsas e fraudulentas. E “a proporção de notícias polarizadas e informações políticas em circulação sobre as mídias sociais na Índia é pior do que todos os outros estudos de caso analisados”escreveram pesquisadores do Projeto de Propaganda Computacional da Universidade Oxford no início de maio, “com exceção da eleição presidencial norte-americana de 2016”.

Aqui estão mais detalhes sobre o relatório:

Descobrimos que (1) mais de ¼ do conteúdo compartilhado pelo BJP (Partido Bharatiya Janata) e ⅕ do conteúdo compartilhado pelo INC (Congresso Nacional Indiano) é junk news, enquanto o Partido Samajwadi e Bahujan Samaj compartilha muito pouco conteúdo sensacionalista, extremista ou conspiratório. (2) Em relação ao conteúdo visual compartilhado em nossa amostra de grupos do WhatsApp, ⅓ das imagens do BJP, ¼ das imagens do INC e 1/10 das imagens do SP-BSP foram classificadas como divisivas e conspiratórias. Comparando as plataformas, descobrimos que (3) a desinformação no WhatsApp assume principalmente a forma de conteúdo visual, enquanto a desinformação no Facebook envolve links para sites de notícia e conteúdo visual sensacionalistas, extremistas e conspiratórios.

As estimativas atuais fazem com que o BJP e o INC, que divulgam junk news, tenham 297 e 54 assentos, respectivamente, na Câmara Baixa da Índia. Enquanto o SP-BSP, relativamente livre das junk news, terá 19.

“Maior do que todas as páginas de partidos de extrema-direita somadas”. A União Europeia também passou por eleições neste mês. A rede global de ativistas Avaaz divulgou 1 relatório delineando uma investigação de 3 meses que revelou mais de 500 páginas e grupos suspeitos relacionados à UE no Facebook, que “foram seguidos por quase 32 milhões de pessoas e geraram mais de 67 milhões de interações nos últimos 3 meses”.

A Avaaz relatou suas descobertas ao Facebook e disse que “77% das páginas e grupos relatados, que respondem por cerca de 20% de todas as interações através das redes”, foram removidas.

De Issie Lapowsky, do Wired:

“Na Alemanha, por exemplo, a Avaaz disse que o Facebook tomou medidas contra 131 contas falsas, muitas das quais apoiaram o partido de extrema-direita Alternative for Germany. Na França, o Facebook removeu uma página chamada Suavelos, que divulgava ideias nacionalistas-brancas, algo que o Facebook recentemente proibiu. O Facebook baniu 23 páginas que a Avaaz denunciou na Itália por uma série de infrações, incluindo a alteração do nome de uma página que não era relacionada a suas origens. Uma dessas páginas mudou de nome 8 vezes, de acordo com a Avaaz, começando como uma página de esportes e, depois, se transformando em uma página sobre política.

Na Polônia, a Avaaz encontrou uma rede de páginas compartilhando –quase que simultaneamente– a mesma notícia falsa sobre motoristas migrantes que estupravam mulheres europeias. Das 26 páginas que o Avaaz descobriu que compartilhavam a fake news, o Facebook baniu 11. A Avaaz também esteve por trás de uma recente retirada de páginas e grupos na Espanha, pouco antes das eleições de abril. Finalmente, no Reino Unido, a Avaaz disse que o Facebook removeu 132 posts, páginas e grupos listados em seu relatório.

Essas remoções são diferentes das que o Facebook anunciou publicamente, em que nenhuma delas parece ser o que a empresa chama de “comportamento não autêntico coordenado”, conduzido por um Estado-nação ou organização única. O Facebook já anunciou esses tipos de “operações de influência” associadas a entidades na Rússia, no Irã e em Israel. Em vez disso, o porta-voz da rede social disse que as remoções são parte das ações que a empresa toma “regular e rotineiramente” contra conteúdo que viola suas políticas”.

Outros estudos europeus tiveram resultados semelhantes. Minha colega Christine Schmidt escreveu 1 texto esta semana. O Financial Times escreveu outro:

Pesquisadores encontraram muitos novos sites, principalmente em italiano, criados para coletar e disseminar histórias anti-migrantes e anti-muçulmanos. Em alguns casos, as histórias são referentes a eventos atuais, como o incêndio na catedral Notre Dame, em Paris.

“Os temas anti-migrantes foram implacavelmente explorados como uma forma de estimular, conectar e criar comunidades digitais ativas”, disse Alex Romero, executivo-chefe da Alto Data Analytics, que descobriu que o conteúdo anti-imigração estava entre o material mais compartilhado em mais de 500 contas do Twitter suspeitas de espalhar informações falsas ou hiperpartidárias.

“Não é 2016. Não estamos vendo atividade automatizada em rede com uma impressão digital russa óbvia nessas eleições”disse Sasha Havlicek, chefe do Instituto de Diálogo Estratégico de Londres, ao Washington Post“O que estamos vendo mais são as operações de informação de extrema-direita coordenadas e transnacionais”.

Vida útil de 24 horas para notícias reais? Em uma apresentação recente sobre gerenciamento de informações, Anjan Pal e Alton YK Chua, da Universidade de Tecnologia Nanyang de Cingapura, observaram como notícias falsas e notícias reais se difundiram de maneira diferente no Twitter. Uma diferença chave é o tempo que uma história continua a ser compartilhada após a 1ª publicação:

“O volume de tweets envolvendo notícias reais cai drasticamente após as primeiras 24 horas (por exemplo, a notícia real #1 teve 37 tweets após 24 horas e 38 tweets após 96 horas). Isso não acontecia, no entanto, com notícias falsas (por exemplo, a notícia falsa #1 teve 226 tweets após 24 horas e 452 tweets após 96 horas).

Os resultados indicaram que o volume de reprodução de notícias reais cai drasticamente após o 1º dia. No entanto, isso não acontecia com notícias falsas. Embora as notícias reais pareçam perder seu valor depois de 1 dia, notícias falsas sustentam sua popularidade.”

Este foi 1 estudo muito pequeno –Pal e Chua analisaram apenas 20 notícias falsas e 20 notícias reais, todas sobre Hillary Clinton–, mas a descoberta sobre o volume após o 1º dia reflete as descobertas de outros estudos. Um grande estudo de 2018 do MIT, por exemplo, também descobriu que notícias falsas se espalhavam de forma mais ampla e rápida do que notícias reais. Um estudo de 2016 mostrou que as primeiras 24 horas são fundamentais para a divulgação de uma notícia no Twitter e 1 estudo de notícias verdadeiras em 2012 descobriu que o retweeting “normalmente [termina] entre 10 e 72 horas depois de 1 artigo ser originalmente compartilhado”.

*Laura Hazard Owen é vice-editora do Lab. Anteriormente era editora chefe da Gigaom, onde escreveu sobre publicação digital de livros.

Poder360