Em Berlim, Obama faz apelo por redução dos arsenais nucleares - :: Paraiba Urgente :: Portal de Notícias

Em Berlim, Obama faz apelo por redução dos arsenais nucleares

Em Berlim, Obama faz apelo por redução dos arsenais nuclearesO presidente dos EUA, Barack Obama, fez um apelo nesta quarta-feira (19) para que o arsenal nuclear seja reduzido em até um terço, e prometeu negociar o tema com a Rússia, para “ir além das posturas nucleares da Guerra Fria”.

“Depois de um estudo extendo, determinei que podemos garantir a segurança da América e de nossos aliados, e manter uma estratégia de dissuasão forte e crível, reduzindo nossas armas nucleares estrategicamente posicionadas em até um terço”, disse.

“Quero buscar cortes negociados com a Rússia para irmos além das posturas nucleares da Guerra Fria”, completou.

“São passos que podemos dar para criar um mundo de paz e justiça”, justificou, durante discurso para mais de 4 mil pessoas no Portão de Brandemburgo, em Berlim, próximo ao local onde ficava o Muro de Berlim, que separava os blocos ocidental e soviético na Guerra Fria.

Obama também disse que os EUA sabem o que precisam fazer na questão da mudança climática. “Vamos fazer mais”, prometeu.

Guantánamo

O democrata também afirmou que seu governo vai “redobrar esforços” para fechar a prisão de Guantánamo, retomando uma promessa de sua primeira campanha eleitoral.

“Mesmo enquanto permanecemos vigilantes em relação à ameaça do terrorismo, temos de ir além do espírito de guerra perpétua na América, o que significa redobrar nossos esforços para fechar a prisão de Guantánamo”, disse.

“Isso significa controlar rigorosamente o uso de nova tecnologia como os drones, isso significa equilibrar a busca da segurança com a proteção da privacidade”, disse.

Afeganistão

Obama disse que os afegãos devem conversar entre si para resolver o conflito em seu país, apesar da enorme desconfiança existente entre o governo e o movimento islamita do Talibã.

Obama falou um dia após os Estados Unidos anunciarem que começariam negociações com o Talibã na quinta-feira, em busca de uma paz negociada depois de 12 anos de guerra — um movimento que tem aborrecido profundamente o governo do presidente Hamid Karzai, que tem o apoio dos EUA.

“Nós acreditamos que por fim vamos precisar ver afegãos falando com afegãos sobre como eles podem ir em frente e encerrar o ciclo de violência, para que eles possam começar a realmente construir o país”, disse.

Em sinal de desagrado com a mudança, Karzai suspendeu as negociações com os Estados Unidos sobre um acordo sobre tropas. Mas Obama se disse satisfeito com o anúncio de Karzai de que as forças afegãs em breve vão assumir a responsabilidade pela segurança em lugar da força de paz liderada pela Otan.
G1