João Pessoa 14/12/2018

Início » Destaque » Em entrevista, Moro diz que não será candidato a presidente daqui a 4 anos

Em entrevista, Moro diz que não será candidato a presidente daqui a 4 anos

Moro concedeu entrevista ao Fantástico neste domingo (11.nov.2018)Reprodução/TV Globo

O juiz federal e futuro ministro de Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, disse estar assumindo 1 cargo “predominante técnico” no governo de Jair Bolsonaro (PSL). Ele negou que pretenda ser candidato à Presidência da República nas próximas eleições.

“Na minha visão, estou assumindo 1 cargo para exercer uma função predominantemente técnica. Não me vejo em 1 palanque como candidato a qualquer espécie de cargo. Isso não é da minha natureza”, disse em entrevista exibida neste domingo (11.nov.2018) pelo Fantástico, da TV Globo.

Ao ser questionado se não poderia mudar de ideia no futuro sobre a candidatura, completou: “Estou te falando que não vou ser”.

Sobre a chance de assumir uma vaga no STF (Supremo Tribunal Federal), disse que é “uma possibilidade”. “É uma perspectiva, uma possibilidade que se coloca no futuro. Quando surgir uma vaga o meu nome pode ser cogitado, como o nome de várias pessoas.”

O juiz será 1 dos “superministros” indicados por Bolsonaro. Sua pasta aglutinará os atuais ministérios da Justiça e da Segurança Pública.

POSSE DE ARMAS E MAIORIDADE PENAL

Moro afirmou que a flexibilização da posse de armas –ou seja, o afrouxamento das regras para quem deseja ter uma arma dentro de casa– não é “uma questão exatamente de diminuição ou não da criminalidade”.

“O senhor presidente foi eleito com base nessa posição e me parece que há esse compromisso com os seus eleitores.” Para ele, as normas atuais “são muito restritivas”.

Em relação à redução da maioridade penal, disse que “não existe posição fechada” no governo sobre o tema.

“Existe uma necessidade de se proteger o adolescente, por isso se coloca a maioridade penal em 18 anos. Mas também acho que é razoável a afirmação de que mesmo o adolescente entre 16 e 18 anos já tem uma noção de que é errado matar.”

“ABATE” A CRIMINOSOS

Moro voltou a defender que o Estado deve ter uma política mais rigorosa contra organizações criminosas. Ele mostrou posicionamento favorável ao do governador eleito do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), de dar autorização a policiais para “abater” criminosos com fuzis.

“Não me parece razoável que o policial tenha que esperar o criminoso atirar nele com uma metralhadora, com 1 fuzil antes que ele possa tomar qualquer providência. Tenho minhas dúvidas se isso já não é acobertado pela legislação, mas vamos estudar se é necessário uma reformulação.”

Questionado sobre suas metas para a redução da criminalidade, disse que não é possível se comprometer com 1 número. “Não é exatamente matemática.”

Na 3ª feira (6.nov), durante a 1ª entrevista após ser anunciado ministro, o juiz defendeu a aplicação de penas mais severas, como proibição de progressão de regime quando houver ligação com organizações criminosas. Defendeu também a utilização do modelo de forças tarefas da Lava Jato no combate ao crime organizado.

COMBATE À CORRUPÇÃO

Sérgio Moro afirmou que os integrantes do governo não serão poupados caso se envolvam em em esquemas de corrupção. Segundo ele, ministro do novo governo que vier a sofrer denúncia ‘consistente’ de corrupção deverá ser afastado.

Ao ser questionado sobre qual é o critério jurídico que será utilizado para avaliar se a denúncia é consistente, Moro respondeu que deve-se analisar as provas e fazer 1 juízo de valor para que não existam acusações infundadas.

O futuro ministro também disse que conversou com o presidente eleito e que lhe foi assegurado por Bolsonaro que “ninguém seria protegido se surgissem casos de corrupção dentro do governo”.

Moro era responsável pelos processos da operação Lava Jato na 1ª Instância em Curitiba. Comandou a 13ª Vara Federal de Curitiba e foi o responsável por julgar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no caso do tríplex do Guarujá (SP).

MINORIAS

Em relação a frase de Bolsonaro de que iria “botar 1 ponto final em todo tipo de ativismo no Brasil”, Moro disse nunca ter visto da parte do presidente eleito “uma proposta de cunho discriminatório em relação a minorias”.

“Nada vai mudar. Tenho grandes amigos que são homessexuais, algumas das melhores pessoas que eu conheço. E não existe nenhuma perspectiva de nada que seja discriminatório a essas minorias.”.

Poder360