Em evento, Guedes diz que Previdência será aprovada na Câmara antes do recesso

Em evento, Guedes diz que Previdência será aprovada na Câmara antes do recesso

Durante evento, Guedes disse “confiar” no Congresso Nacional, além de calcular que a PEC da Previdência deverá ser aprovada na Câmara antes do recesso de julho.Reprodução: Youtube

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta 5ª feira (4.jul.2019), horas depois da aprovação do parecer do relator da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) da Previdência na Comissão Especial, que “confia” no Congresso Nacional e que acredita que o texto da PEC será aprovado pelo Plenário antes do recesso dos congressistas.

O titular da pasta econômica participava de 1 painel de uma corretora de investimentos.

O presidente da Comissão Especial (Marcelo Ramos), o relator (Samuel Moreira) e o presidente da Câmara dos Deputados (Rodrigo Maia), todos se esforçando. Eu acredito que a Câmara vai aprovar (a PEC) ainda antes das férias. Semana que vem isso vai ao Congresso. Eu confio no Congresso brasileiro“, frisou.

NOVAS PAUTAS 

De acordo com Guedes, passando a pauta da Previdência, o governo esforçará-se em 2 outros temas a serem discutidos no 2º semestre deste ano: reforma tributária e Pacto Federativo.

Em outro eixo, está a reforma tributária. A Câmara já deu 1 passo à frente. Vamos chegar com o nosso, fervendo esse assunto. Queremos a modernização, a simplificação de impostos. Já para o Senado, nossa ideia é levar o Pacto Federativo“, revelou.

O ministro informou que, na versão “radical” do texto devolverá-se o controle do orçamento público à classe política, com o peso, entretanto, das responsabilidades. Para isso, haverá desindexação e desvinculação do Orçamento, segundo ele.

Guedes também afirmou que a atual PEC tributária, que foi aprovada na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), não deve ser analisada como uma competidora com o texto que será encaminhado pelo Planalto.

“Se tem 1 projeto, isso é bom. É excelente. Não queremos autoria de nada, queremos que o Brasil melhore. Então, essa reforma dos impostos é iminente, vai disparar agora“, pontuou.

DEFESA DA CAPITALIZAÇÃO

Discorrendo sobre a Previdência, o ministro comentou que o atual modelo de repartição “destrói” os recursos, o que implica na implementação de 1 modelo de capitalização.

Se leva promessa, tem que levar recursos. O regime de capitalização faz isso. O de repartição, não. O financiamento é perverso, com encargos sociais trabalhistas que oneram em quase 100% a mão de obra. É uma arma da destruição em massa de empregos“, disse.

ACORDO COM UE 

Durante suas falas, o ministro da Economia também elogiou a integração de diferentes pastas em uma única, responsável, em sua visão, pelo sucesso do acordo de comércio entre UE (União Europeia) e Mercosul, dizendo “estar assegurado a abertura gradual da economia doméstica“.

Ainda de acordo com ele, antes da integração das diferentes pastas, o ministério da Indústria e Comércio, em anos anteriores, representava uma “trincheira“, contribuindo para a “desindustrialização” da indústria doméstica”.

Por que esse acordo não foi feito há 16 anos? Uma parte era ideologia, outra era lobby. (…) O importante é não perder as janelas de oportunidades. Essa se abriu e fechamos esse acordo de abertura gradual“, explicou.

Segundo Guedes, o país quer estabelecer acordos que representem uma modernização tecnológica e integração com a economia global, situação que não estaria ocorrendo em alianças com economias, ao seu ver, de “ideologia obsoleta”, como a Venezuela.

INFRAESTRUTURA

O ministro da Economia também mencionou a necessidade de redução dos custos de infraestrutura, que pressionam os juros. Atualmente, segundo ele, o setor privado “está expulso do mercado“.

Guedes também comentou sobre o potencial de riqueza advinda da exploração de pré-sal. “Nosso desafio é explorar o mais rápido, tirar. Assim, vai para 1 Pacto Federativo, descentralizamos e vai para educação“, opinou.

Ele disse também que, na ponta da cadeia, pode haver redução do custo da energia termelétrica, em consequência do “choque de energia barata”, que irá industrializar novamente o país.

PRIVATIZAÇÃO

Quando falou sobre a agenda de desinvestimentos do governo, o titular da pasta econômica mencionou, enfaticamente, o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Social).

Essa transformação do Estado envolve o aceleramento da Privatização. Vamos desalavancar os bancos públicos. No BNDES, por exemplo, botaram R$ 500 bilhões. Aí, deu-se dinheiro para Cuba, Venezuela, Angola. (…) Vamos encolher o crédito público e ampliar o privado“, disse.

AUTORIDADE MONETÁRIA E JUROS

Comentando sobre a agenda econômica liberal do governo, o ministro também mencionou que a implementação das reformas no cenário macroeconômico deve promover o recuo dos juros pelo BC (Banco Central), o que, em sua visão, reverterá a imagem do país como “paraíso dos rentistas“.

Sobre o presidente do BC (Roberto Campos Neto), eu não preciso falar nada. Os juros futuros estão descendo. Isso já mostra a previsão do mercado. Saindo a Previdência, os juros devem começar a recuar“, analisou.

Poder360