Em jogo eletrizante, Fla vira no fim e vence Athletico Parananese no Maracanã

Em jogo eletrizante, Fla vira no fim e vence Athletico Parananese no Maracanã

Contra um time misto do Athletico Paranaense, que se prepara para o jogo de volta da decisão da Recopa Sul-Americana, o Flamengo encontrou dificuldades no Maracanã, chegou a sair na frente, mas acabou levando a virada. Entretanto, já nos minutos finais, no abafa, o Rubro-Negro Carioca voltou a virar e, com o coração na ponta da chuteira, venceu, por 3 a 2. Mesmo com a vitória, o Fla, que chega a 10 pontos e encosta no G4 do Brasileirão, saiu do estádio sob protestos do torcedor, principalmente contra o técnico Abel Braga.

O Athletico, que esteve perto da vitória, permanece com sete pontos e segue no meio da tabela. Fla em vantagem Com a bola rolando, o duelo de rubro-negros não empolgou logo de início. O Flamengo, como de costume nos jogos em casa, buscou a imposição desde o apito inicial, mas encontrou um adversário fechado, que não dava espaços no último terço.

Aos cinco, Éverton Ribeiro fez boa jogada pela direita e, na tentativa de cruzamento, a bola quase tomou o endereço da meta do goleiro Santos, mas saiu por pouco. Instantes depois, Rodrigo Caiu tentou pelo alto e cabeceou para fora. A resposta paranaense veio aos 17. Márcio Azevedo cobrou falta, Marcelo Cirino desviou de cabeça e Lucas Walter apareceu na cara de Diego Alves, que saiu abafando e fez importante defesa.

O jogo ficou aberto. No lance seguinte, Azevedo errou na saída de bola e entregou de graça para Bruno Henrique, que arriscou de fora. Santos voou e fez linda defesa. O primeiro tempo foi marcado por erros defensivos. Desta vez, o vacilo foi de Diego, que passou para Cirino. O atacante, ex-Fla, avançou e arriscou da entrada da área para mais uma boa intervenção do goleiro flamenguista.

Na medida em que os erros iam se intensificando, as equipes se aproximavam mais do gol adversário. Nesse show de bobeadas, o Furacão pagou o pato. Aos 27, Madson tentou recuar no campo de defesa e acabou dando um passe para Gabriel Barbosa, que saiu de frente para o gol e foi derrubado por Santos. Pênalti, que foi revisado e confirmado pelo árbitro de vídeo. Na cobrança, Gabigol bateu firme a abriu o placar para o Flamengo.

Duas viradas e emoção no fim Na volta do intervalo, o Furacão voltou com uma postura diferente dos primeiros 45 minutos. Os comandados de Tiago Nunes aumentaram o volume no campo ofensivo, enquanto o Rubro-Negro Carioca se manteve no campo de defesa, à espera de saídas em velocidade. A estratégia do time da casa, porém, não funcionou.

E, além de não ser efetiva, ofereceu campo aos paranaenses, que aproveitaram e chegaram ao empate. Aos 18, Braian Romero tabelou com Tomás Andrade, ganhou de Rodrigo Caio e cruzou para Marcelo Cirino, que, livre, só teve o trabalho de empurrar para o fundo do gol. E não parou por aí. Aos 20, após nova troca de passes envolvente, o Athletico chegou com perigo e Madson foi derrubado por Bruno Henrique na área.

No momento do contato, a arbitragem mandou seguir. Porém, instantes depois, o VAR entrou em ação, o árbitro revisou o lance e assinalou o pênalti. Cirino, de novo ele, foi para cobrança, que quase foi defendida por Diego Alves, mas a bola entrou. Virada paranaense. O jogo caminhava para seu final, e o nervosismo flamenguista parecia decretar a vitória paranaense.

Mas não foi isso que aconteceu. Aos 44, Éverton Ribeiro fez jogada pela direita e cruzou na cabeça de Bruno Henrique, que igualou o marcador. Com o empate, o time da casa aproveitou o embalo da torcida e aumentou o abafa. No último minuto, Renê cruzou na área e Rodrigo Caio, de cabeça, trouxe o alívio no Maracanã. Virada e muita emoção na vitória do Flamengo.

O Gol