João Pessoa 24/05/2019

Início » Notícias » Em vídeo no Facebook, Bolsonaro diz que foi ‘mal interpretado’ em declaração sobre Forças Armadas

Em vídeo no Facebook, Bolsonaro diz que foi ‘mal interpretado’ em declaração sobre Forças Armadas

Pela manhã, durante discurso no Rio, presidente afirmou que 'democracia e a liberdade só existem quando a Força Armada assim o quer'

Live nas redes sociais teve a participação do porta-voz da Presidência, Otávio Santana do Rego Barros, e do general Augusto Heleno, ministro-chefe do GSI(foto: Facebook/reprodução )

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) usou as redes sociais no início da noite desta quinta-feira para comentar a polêmica envolvendo discurso feito pela manhã, durante a cerimônia de 211 anos do Corpo de Fuzileiros Navais, no Rio de Janeiro. Ele disse que “a democracia e a liberdade só existem quando a Força Armada assim o quer”.

Em live no Facebook, ao lado do general Augusto Heleno, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), e do porta-voz da Presidência, Otávio Santana do Rego Barros, Bolsonaro afirmou que foi mal interpretado.

“Assim é em todo lugar do mundo, e essa fala levou para todo lado as mais variadas interpretações”, disse o presidente. Ele aproveitou a presença de Heleno no vídeo, a quem classificou de “mais experiente” para questioná-lo se ele teria visto algo errado em seu discurso.

A resposta veio de imediato: “Claro que não. Não tem nada de polêmico. Foram palavras ditas de improviso para uma tropa qualificada e para aqueles que amam sua pátria e vivem diariamente o problema da manutenção da democracia e da liberdade”, comentou.

O general Heleno reclamou que “tentaram distorcer” as palavras de Bolsonaro como se ele tivesse tratado a democracia como uma “presente” dos militares para os civis. “Não é nada disso”.

Cartão

Outro assunto tratado na live foi o aumento de 16% nos gastos com o cartão corporativo da Presidência da República, no compartivo com a média dos últimos quatro anos. Embora durante a transição tenha defendido o fim do cartão, nos dois primeiros meses de governo, goram gastos R$ 1,1 milhão. O gasto refere-se a pagamentos vinculados à Secretaria de Administração da Presidência da República.

“A imprensa pegou apenas a parte negativa e divulgou”, reclamou Bolsonaro. Bolsonaro justificou o aumento no fato de que, entre maio de 2016 e dezembro de 2018 o gasto foi com apenas um presidente – no caso, Michel Temer (MDB), que assumiu o cargo com o afastamento e posterior impeachment de Dilma Rousseff (PT).

O general Augusto Heleno argumentou ainda que em janeiro deste ano o Brasil tinha um presidente da República saindo do cargo (Temer), outro assumindo (Bolsonaro) e um vice (Hamilton Mourão), o que justifica um gasto maior.

“E ainda havia todo o aparato da posse, a vinda de presidentes estrangeiros, altas autoridades. E todo esse mnovimento, é lógico, acabou fazendo com que esse cartão corporativo aumentasse as despesas”.

Bolsonaro anunciou que fará vídeos ao vivo todas as quintas-feiras às 18h30 para apresentar os principais assuntos da semana.

em