João Pessoa 14/12/2018

Início » Cidades » Emboscada a policial suspeito de chefiar milícia teve 36 tiros

Emboscada a policial suspeito de chefiar milícia teve 36 tiros

RIO – Assassinado na manhã da última sexta-feira, o policial civil Claudézio de Souza Gomes, lotado na 31ª DP (Ricardo de Albuquerque), era investigado sob suspeita de chefiar um grupo de milicianos que controla a venda de cigarros no bairro da Pavuna , na Zona Norte. Moradores da região disseram que, nos últimos meses, Claudézio vinha pressionando comerciantes da região a venderem apenas cigarros paraguaios contrabandeados distribuídos por ele. A execução do agente está sendo apurada sob sigilo pela Delegacia de Homicídios (DH) da capital. 

— Ele entrava armado nos comércios, dizia se chamar Souza, se apresentava como policial e fazia muitas ameaças. Sempre chegava acompanhado de outros homens armados. Vendedores do comércio legal foram expulsos — afirmou um morador da Pavuna.

Depósitos estourados

A morte, com vários tiros (pelo menos 36 cápsulas foram recolhidas próximas ao corpo), aconteceu durante uma emboscada. Ele também era investigado pela Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Propriedade Imaterial (DRCPIM), que considerava Claudézio um dos chefes da quadrilha. Segundo o delegado Maurício Demétrio, titular da especializada, alguns depósitos de cigarros vinculados a ele foram estourados na região nas últimas semanas.

— O que nossas investigações apontam é que, recentemente, ele passou a dever a fornecedores e praticou um roubo usando o próprio veículo. Mas acabou sendo reconhecido pela vítima, que transportava um carregamento legal do cigarro da marca Quality — contou o delegado.

Cigarros falsos e contrabandeados eram vendidos na Pavuna Foto: Divulgação
Cigarros falsos e contrabandeados eram vendidos na Pavuna Foto: Divulgação

A vítima, que teve mil pacotes de cigarro roubados, contou à polícia que foi abordada por três homens armados e que foi agredida por Claudézio.

De acordo com Demétrio, um dos depósitos tinha sido descoberto no último dia 24:

— Era questão de tempo. Em uma semana teríamos elementos suficientes para pedir a prisão dele. Só que, na sexta, ele acabou sendo assassinado.