Engenheiro consegue liminar e silencia diante da CPI na Câmara Municipal de Campina Grande

Engenheiro consegue liminar e silencia diante da CPI na Câmara Municipal de Campina Grande

JOÃO DAN CPIDepois do ex-secretário de Finanças da PMCG Júlio César, o engenheiro Inaldo Luiz Silva de Assis conseguiu junto a Justiça uma liminar para ficar calado diante da CPI do Ex-tesoureiro, instalada na Câmara campinense para apurar denúncias formuladas pelo ex- tesoureiro da PMCG Rennan Trajano, contra o ex-prefeito Veneziano Vital do Rêgo (PMDB). .

Ele chegou às dependências do Legislativo acompanhado do advogado José Mário Porto.  E passou todo o interrogatório em silêncio.  A decisão judicial é assinada pelo juiz Wandemberg de Freitas Rocha, que atendeu parcialmente à petição do requerente, não o eximindo de comparecer à comissão.

Convocado – Durante a reunião de ontem, o vereador Hércules Lafite (PSC) foi convocado para depor pela CPI. Ele atuou em um cargo comissionado da Secretaria de Finanças da PMCG na gestão anterior e foi acusado pelo ex-tesoureiro da prefeitura, Rennan Trajano, de ter envolvimento nos fatos relatados a Folha de São Paulo.

O engenheiro foi o segundo a ganhar na Justiça, o direito de permanecer em silêncio na CPI. O ex-secretario de Finanças da PMCG, Júlio César, da gestão do ex-prefeito Veneziano Vital do Rêgo,  também silenciou diante das perguntas formuladas pelos vereadores da comissão.

No dia em que foi convocado para depor, o engenheiro Júlio César Câmara Cabral chegou ao plenário da CMCG, conduzindo uma decisão judicial que lhe assegura ficar calado diante das inquirições da comissão. Ele permaneceu em silêncio durante todo o interrogatório.  A decisão da juíza Giovanna Lisboa, plantonista do Fórum Afonso Campos, no final de semana – consagra o “direito de ficar calado para não autoincriminar”.

A Comissão é composta pelo presidente João Dantas (PSD), o relator Alexandre do Sindicato (PROS) e o membro Rodrigo Ramos (PMN).

PBAgora