Entenda o esquema do Facebook para obter dados de usuários por outros aplicativos

Entenda o esquema do Facebook para obter dados de usuários por outros aplicativos

Emails de executivos da empresa mostram que o Facebook queria obter mais dados dos usuários por meio dos desenvolvedores 

O Facebook estudou e adotou práticas para forçar desenvolvedores externos a compartilhar com a dados dos seus clientes, indicam e-mails internos da gigante tech. A ideia era ter maior acesso às informações pessoais dos usuários da rede social.

O plano começou a ser traçado em 2012, após a oferta pública inicial de ações do Facebook, por Mark Zuckerberg, fundador da empresa. Na época, o IPO rendeu US$ 16 bilhões à companhia. Mas Zuckerberg queria alavancar a commodity mais valiosa da empresa: os dados dos usuários.

O empresário propôs à alta cúpula da empresa 1 novo modelo de negócios que ele chamou de “reciprocidade total”. Zuckerberg queria dar aos desenvolvedores de aplicativos acessos ao seus APIs (padrões de programação abertos para acesso a 1 aplicativo de software ou plataforma) se eles concordassem em compartilhar com o Facebook 1 registro de todas as ações sociais que os usuários realizassem em suas respectivas plataformas.

A estratégia foi explicada por Mike Vernal, então vice-presidente de produtos e engenharia do Facebook, em mensagem aos gerentes seniores da companhia enviada em novembro de 2012. “A grande maioria do nosso tempo (80+%) deveria ser gasto na obtenção de dados ou dinheiro de desenvolvedores”,escreveu o executivo em outro e-mail, de 15.jun.2013.

Os diretores da empresa reclamavam que os desenvolveres parceiros estavam crescendo e obtinham muitos dados da rede social, mas com pouca “reciprocidade”. Zuckerberg e outros executivos debateram ainda a possibilidade de cobrar pelo acesso ao APIs deles.

Como funciona esta troca de dados:

  • O Facebook desenvolve ferramentas para permitir que a rede social se conecte a aplicativos desenvolvidos por outras companhias, como jogos;
  • Em troca, as empresas desenvolviam produtos que assegurassem que o usuário passasse mais tempo no Facebook.

É o caso, por exemplo, do aplicativo Spotify, especializado no streaming de músicas, podcasts e vídeos. O usuário acessa sua conta e conecta-se com o Facebook –e, com isso, o Spotify passa a ter acesso aos dados do usuário que estão na rede social, como local de trabalho, lista de amigos e preferências.

Com a conexão, o Facebook também passa saber que o usuário utiliza o aplicativo de streaming. Com esse dado, o algoritmo da rede social consegue fazer 1 direcionamento melhor do conteúdo para aquela pessoa.

Essas parcerias também permitem o Facebook fazer “sugestões de amizade” dentro da rede de uma forma mais efetiva, visto que elas têm interesse em comum e sejam da mesma região.

Em 2012, a estratégia estava sendo desenhada. “Descobrimos que havia esse desequilíbrio entre nós e nossos parceiros. Nós expusemos nosso valor através de 1 app que os parceiros poderiam conectar à vontade, com grande flexibilidade. Nós demos acesso a nossas jóias da coroa, e eles tinham total controle sobre como integrá-las”, escreveu Vernal.

Em 2012, o Facebook estudava uma estratégia para obter dados por meio de outros aplicativosDouglas Rodrigues/Poder360 – 28.mar.2017

CAMBRIDGE ANALYTICA

Em 1 dos emails, de outubro de 2012, Zuckerberg escreveu que era “cético” em relação ao prejuízo que esse intercâmbio de dados poderia causar à empresa. “Acho que nós vazamos alguma informação para os desenvolvedores, mas não consigo pensar em nenhuma circunstância em que esses dados tenham vazado de desenvolvedor para desenvolvedor e causado 1 problema real para nós”, escreveu.

O abalo veio 6 anos depois, em março de 2018, quando estourou o escândalo do Facebook com empresa norte-americana Cambridge Analytica, que teve acesso indevido a dados pessoais de usuários a partir de 1 aplicativo de teste psicológico na rede social.

Os usuários do Facebook que participaram do teste acabavam entregando não apenas suas informações, mas os dados referentes a todos os amigos à companhia. A Cambridge Analytica usou as informações na eleição norte-americana de 2016.

A revelação do caso fez o Facebook perder, na época, mais de US$ 50 bilhões em valor de mercado em poucos dias. Atualmente, esse volume já foi recuperado.

FACEBOOK LEAKS

Esta reportagem foi produzida com base em documentos publicados pela Computer Weekly e NBC com o jornalista Duncan Campbell. O Poder360 teve acesso a 1 novo lote de cerca de 170 páginas de emails, apresentações e planilhas da alta cúpula do Facebook.

Os arquivos também foram compartilhados com integrantes do Consórcio Internacional de Jornalismo Investigativo (ICIJ, em inglês).

Esses documentos têm relação com uma ação na Justiça norte-americana contra o Facebook movida pela empresa Six4Three, desenvolvedora de aplicativos.

startup processou o Facebook em 2015 depois que a empresa anunciou planos para cortar o acesso a alguns tipos de dados de usuários. O aplicativo Pikinis, da Six4Three, foi 1 deles. Lançado em 2013, o Pikinis se baseava nos dados da rede social para permitir que os usuários encontrassem facilmente fotos de seus amigos em trajes de banho.

Alguns destes documentos também foram obtidos pelo Comitê de Digital, Cultura e Mídia do Parlamento Britânico em novembro de 2018 como parte de uma investigação sobre “notícias falsas”.

Procurado pelo Poder360, o Facebook não respondeu aos questionamentos da reportagem até o fechamento do texto.

Em 5 de dezembro de 2018, Zuckerberg publicou 1 post em seu perfil no Facebook afirmando que a rede social fez alterações na plataforma para banir desenvolvedores que manipularam mal os dados de usuários em 2015.

“Embora tenhamos feito essa mudança há vários anos, se tivéssemos feito isso apenas 1 ano antes, poderíamos ter evitado completamente essa situação”, escreveu Zuckerberg.

O executivo afirmou ainda que as reuniões e os debates feitos internamente na empresa eram comuns.

“Outras ideias que consideramos, mas decidimos contra, incluíram a cobrança aos desenvolvedores pelo uso de nossa plataforma, semelhante à forma como os desenvolvedores pagam para usar o Amazon AWS ou o Google Cloud. Para ser claro, é diferente de vender dados das pessoas. Nós nunca vendemos dados de ninguém. Claro, não deixamos que todos se desenvolvam em nossa plataforma”, escreveu.