Especialista sobre pacote anticrime de Moro: ‘Peça vazia’ com ‘erros de principiante’

No Senado, o ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sérgio Moro falou nesta quarta-feira sobre o pacote de medidas anticrime e anticorrupção. Defendendo a permanência das medidas contra a corrupção no texto e relativizando críticas, a audiência deixou muita gente se perguntando: o projeto do ministro vai funcionar?

O coordenador do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCRIM), Paulo César Malvezzi, duvida. Ele avalia que o pacote de Moro não é exatamente uma série de medidas para combater a criminalidade, mas sim de reformas legislativas de endurecimento penal “sem justificativa, sem estudo de impacto e sem fundamentação científica alguma”. O especialista critica a inexistência de menções a políticas de segurança pública, como o investimento em polícias, ao aprimoramento da investigação e a políticas sociais voltadas para prevenção da criminalidade.

Policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) revistam moradores do complexo de favelas do Alemão no Rio de Janeiro

“Não há qualquer estudo, qualquer dado, qualquer sustentação que agregue e justifique este pacote na perspectiva de ser anticrime, de que combate a violência. [A entidade] é contrária, até porque o texto dessas proposta sequer vem com justificativa, que é uma prática legislativa recorrente. [Os projetos] geralmente trazem embasamento científico, quais são as pesquisas que levaram à apresentação da lei”.

O especialista destaca que, “sendo um instituto de ciências voltado para a produção do conhecimento e do ensino das ciências criminais, o IBCCRIM não pode apoiar de fato medidas que não têm qualquer fundamentação objetiva”.

Malvezzi também critica os pontos do projeto relativos ao combate à corrupção. O especialista acredita que Moro incorre no mesmo erro ao dispensar a apresentação de dados. Ele pontua a proposta de criminalização de Caixa 2 — já retirada de pauta pelo ministro a pedido do Congresso —, mas destaca que não há estudos que vinculem a criminalização da prática e a perspectiva de redução da corrupção.

“O que ele traz como resultado automático [a criminalização levando a redução de atos de corrupção], o que qualquer estudo hoje em dia comprova é que realmente não existe ou que se sustente. Quais medidas então poderiam ser bancadas pelo Governo Federal para frear a corrupção? A gente poderia pensar em uma reforma política, no aumento das estruturas de fiscalização na Justiça Eleitoral… Pensar em medidas muito mais efetivas, mas o que temos nas mãos é um emaranhado de alterações legislativas”, critica.

O presidente Jair Bolsonaro acena para os fotógrafos no Palácio do Planalto

O especialista avança, dizendo redação de vários artigos no pacote é “extremamente problemática”, por vezes se assemelhando a “erros de principiante”. Malvezzi classifica o projeto como “amadorístico” e baseado em “ouvi dizer, mistificações penais”. Além disso, ele avalia não ser prioridade do ministro da Justiça o combate à corrupção policial, aspecto inexiste no pacote enviado por Moro ao Legislativo.

“Acredito que é uma falta de atenção à violência estatal, à corrupção policial — há uma completa falta de atenção do ministério sobre isso no pacote que ele está apresentando — mas eu não saberia dizer se foi um lapso (…). O que foi apresentado para a sociedade foi uma peça vazia, mesmo a avaliação do que virá depois ou será complementado é muito difícil de se fazer”, conclui, pedindo uma discursão ampla discussão na sociedade em vista do impacto de longo prazo que as propostas teriam para o país.

Sputnik