Estado gasta R$ 1,3 bilhão com terceirização da saúde e oposição propõe CPI da Máfia das Organizações Sociais

Estado gasta R$ 1,3 bilhão com terceirização da saúde e oposição propõe CPI da Máfia das Organizações Sociais

A gestão do PSB na Paraíba gastou até o ano de 2018 um total de R$1.385.053.490,87 com três organizações sociais ligadas à saúde. Observando os altos valores e o suposto envolvimento da Cruz Vermelha com desvio de recursos públicos em outros estados, o deputado Tovar Correia Lima (PSDB) solicitou informações ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) sobre a contratação das organizações Cruz Vermelha Brasileira filial Rio Grande do Sul, do Instituto de Psicologia Clínica, Educacional e Profissional (Ipcep) e do Instituto De Gestão em Saúde (Gerir). “Nós, como Poder Legislativo, precisamos investigar esses gastos, pois é muito dinheiro para termos um serviço de péssima qualidade. Nós da oposição, propomos a instauração de uma CPI para apurar a Máfia das Organizações Sociais”, disse.

Tovar defendeu que o Estado tem que ter mais transparência nas suas ações, principalmente com a contratação dessas organizações que receberam uma fortuna durante os últimos anos. “Investigações do Ministério Público apontam para desvios de recursos públicos e o governo não pode apenas vir a público dizer que tudo está bem na Paraíba. É preciso mostrar os números, os investimentos e, principalmente, o funcionamento dessas organizações na garantia ao atendimento da população. Por isso, estarei solicitando ao TCE informações mais detalhadas sobre esses repasses para assegurar que o dinheiro do povo esteja sendo utilizado da forma certa”, disse Tovar.

De 2011 a 2018, a Cruz Vermelha Brasileira filial Rio Grande do Sul, que gerencia o Hospital de Emergência eTrauma Senador Humberto Lucena, em João Pessoa, recebeu um total de R$ 916.224.111,45. Entre as organizações da saúde na Paraíba, esse foi o maior valor.

O Instituto de Psicologia Clínica, Educacional e Profissional que gerencia o Hospital Metropolitano de Santa Ritarecebeu a quantia de R$ 187.086.507,33, de 2014 a 2018. E o Instituto De Gestão em Saúde que administra o Hospital Regional Deputado Janduhy Carneiro/ Unacon (Patos)recebeu R$ 281.742.872,09, entre os anos de 2013 a 2018.

“A Paraíba precisa saber se o dinheiro público está sendo utilizado da forma correta. Se o Governo da Paraíba tivesse mais transparência com suas ações, a situação poderia ser outra. Infelizmente temos um caso grave envolvendo assessores de secretários e até mesmo os secretários que estavam no comando das pastas no governo Ricardo Coutinho e que permanecem no governo de João Azevêdo. O governador precisa dar uma resposta rápida sobre o assunto, até mesmo afastando, nem que seja temporariamente enquanto permanecerem as investigações, dos citados na denúncia”, destacou Tovar.

Assessoria de Imprensa