O EI havia ameaçado matar os dois reféns ao menos se soltasse terrorista condenado

Estado Islâmico dá prazo até o pôr do sol para Jordânia libertar prisioneira

Imagem divulgada pelo Estado Islâmico mostra um homem que seria o piloto jordaniano capturado
EI FORCA SOLTURA DE REFEM

BEIRUTE E TÓQUIO — O Estado Islâmico (EI) estabeleceu um prazo até o pôr do sol desta quinta-feira para libertação da militante iraquiana Sajida al-Rishawi, em troca da soltura de um piloto jordaniano capturado pelo grupo extremista. Mas o destino do jornalista japonês Kenji Goto, também refém do EI, ainda está incerto.

Em uma nova mensagem de áudio divulgada pelo grupo, um homem que se identificou como Goto diz que Sajida al-Rishawi, uma terrorista condenada, deve ser levada à fronteira com a Turquia até o pôr do sol iraquiano.

Se Sajida não aparecer dentro do prazo, o Estado Islâmico alertou que Muath al-Kasasbeh — refém do grupo desde seu avião caiu durante um bombardeio sobre a Síria, em dezembro — será “morto imediatamente”.

Segundo o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, análise indicou que o áudio provavelmente é autêntico.

A nova mensagem foi divulgada depois de um prazo de 24 horas anterior para a liberação de Sajida ter expirado. O EI havia ameaçado matar os dois reféns, a menos que a Jordânia libertasse a militante, condenada à morte por seu envolvimento em um ataque terrorista de 2005, que matou 60 pessoas.

Embora a mensagem desta quinta-feira supostamente confirma que Goto ainda está vivo, a preocupação cresce no Japão após a Jordânia e o Estado Islâmico pararem de mencioná-lo como parte de uma possível troca de prisioneiros.

Em outro áudio divulgado na terça-feira, Goto revelou que ele e o piloto da Jordânia seriam mortos dentro de 24 horas caso a Jordânia não liberasse Sajida.

O Globo