Estagiário de escritório de advogado João Alves é agredido por Procuradora de Santa Rita em mercado de Tibiri ll

Estagiário de escritório de advogado João Alves é agredido por Procuradora de Santa Rita em mercado de Tibiri ll

Em confusão que rolou bate boca entre feirantes e assessor da prefeitura de Santa Rita-PB, na tarde desta quinta (29) presença da polícia militar no mercador público de Tibiri ll, quando um servidor da prefeitura chegou com Caminhão e Máquina Enchedeira e de posse de recomendação do MP de 2017 sem validade que  de todo custo tentou remover barracas de vários feirantes e não conseguiu, sem mandado da justiça e  sem cumprir acordo de antes de relocar os feirantes iriam para o centro do mercado e que não aconteceu e, gerou mais confusão e bate boca na feira quando agente da prefeitura convidou a procuradora da gestão Panta, Luciana Miranda para explicar a situação e piorou mais ainda, quando a própria criou um barraco quando tentou agrediu de forma truculenta o estagiário do escritório do defensor dos comerciantes que estava registrando com celular das mãos do advogado Híthalo Marques e que a procuradora fugiu do local, gerando mais revolta e indignação por parte dos feirantes e que foi obrigado a chegar mais viaturas de polícia para acalmar os ânimos no local.

“sou estudante de direito e estou estagiário no escritório de Dr João Alves Jr que é parte do processo e defensor dos feirantes do mercado de Tibiri ll, e que naquele momento estava registrando tudo a serviço do escritório para apresentar na próxima audiência com o Ministério Público e fiquei surpreso quando fui agredido aos tapas por Luciana Miranda tentando tira de minhas mãos o aparelho de celular e que o próprio advogado João Alves reagiu explicando que estagiário estava a serviço do escritório, e que a procuradora não resolveu nada e desapareceu do local sem dá a mínima aos feirantes e não trouxe nenhuma solução para o problema gerado pela gestão, que gerou mais polêmica ainda e sem o mínimo de preparo para dialogar com cidadãos, Luciana Miranda estava desequilibrada”, desabafou o estagiário Hithalo Marques quando estava a serviço do escritório e que o salário da procuradora é pago fruto dos impostos dos comerciantes comerciantes, disse.

O fato é que: A recomenda do MP DE 2017 foi fruto de uma audiência pública para remover feirantes de obstruíram a entrada do restaurante popular e que já em 2018 foi realizada uma nova audiência para relocar os comerciantes quando a prefeitura fosse iniciar a reforma no referido local, e que os feirantes seriam removidos para o centro do mercado e que não aconteceu e os feirantes hoje não obstruem a via de acesso para o restaurante, exceto, que nos finais de semana alguns comerciantes retornaram a ocupar a via e após o término da feira retiram as barracas e de posse de documento sem validade que de uma outra ação que retirar mais comerciantes sem cumprir o acordo com os feirantes e foi obrigado a presença de um nova viatura de polícia comanda por um oficial e que chegou ao consenso pela permanência dos comerciantes pela interferência do advogado João Alves de posse de de audiência documento de 2018 ficou acertado de ambas as partes de uma nova audiência no MP exigindo autorização de mandado judicial ou uma recomenda vigente para relocar os comerciantes. E que a gestão Panta de forma truculenta adotou uma modelo de diálogo que só gera mais revolta e indignação para a população com foi gerado com os moradores da rua do rio que está até hoje no MP Federal.

Veja o vídeo em que a procuradora agride o estagiário do defensor dos comerciantes em dois ângulos, que foi registrado pela reportagem do SBT e o portal Paraíba Urgente que foram acionados para o local:

Lamartine do Vale